Não é só intercâmbio! 6 motivos para incluir Malta na lista de destinos para mochilar

Não é só intercâmbio! 6 motivos para incluir Malta na lista de destinos para mochilar

Vai mochilar pela Europa e quer sair do circuito tradicional? Que tal incluir um país diferente no seu roteiro? A República de Malta é um pequeno arquipélago composto por 3 principais ilhas – Malta, Gozo e Comino. Está situada na região Schengen e, assim como outros países da Europa, dispensa o visto para a entrada dos brasileiros. A moeda de lá é o Euro, o que facilita a vida de quem já está mochilando pelo continente. Além disso, o inglês é o segundo idioma oficial do país, que por esse motivo ganhou fama como um destino interessante para quem quer fazer intercâmbio. A galera do Brasil e de todo o mundo já está de olho na sua localização privilegiada, clima ameno, boa infraestrutura, segurança, preços atrativos… Mas nem só de estudo vive Malta! Confira aqui alguns bons motivos para incluir esse destino no seu mochilão.

1) Sua capital respira cultura e história

A capital de Malta, Valletta, carrega alguns títulos bem importantes: é Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO e em 2018 recebeu o título de Capital Europeia da Cultura. E não é à toa: basta andar um pouco por lá para perceber que ela merece!

Uma tradição imperdível fica no parque Upper Barakka Gardens. Seus jardins são belíssimos e bem cuidados, a vista para o Porto de Valletta é linda e, para completar, diariamente há uma salva de canhões ao meio-dia. Chegue um pouco antes para garantir a vista e aproveite para ouvir uma breve explicação sobre o ritual, 15 minutos antes do disparo. A visitação é gratuita.

Próximo ao parque, você encontra outros pontos de interesse, tudo para ver de graça. Na Castille Square fica a escultura The Knot, que foi feita em mármore italiano e representa a ligação entre Malta, Europa e África. O monumento é novinho e polêmico: erguido em 2015, sua estética diferentona em formato de nó desagradou parte da população e choveram pedidos para que fosse mudada para outro local. Mas por enquanto, ela segue lá, no mesmo lugar.

Com mais alguns minutos de caminhada, você chega a Triton Fountain. A grande fonte, composta por três tritões de bronze, representa a relação de Malta com o mar, já que o país tem uma forte tradição pesqueira. Vale uma visita tanto de dia como à noite, quando a fonte ganha iluminação especial.

Pouca gente sabe, mas Malta também tem Carnaval, e o evento lá é mais antigo do que o nosso. A concentração acontece na Freedom Square, em Valletta, e o público é de aproximadamente 2 mil pessoas. Tem desfile, carro alegórico, bonecos gigantes e grupos de mascarados, porém tudo em dimensões bem menores do que a festividade brasileira, é claro. Ainda assim, vale pela curiosidade.

 

2) Tem balada todo dia

Como esse é um destino muito valorizado por intercambistas, o país está sempre abarrotado de gente jovem e baladeira. Paceville é o lugar ideal para quem quer festa a noite toda, já que é por ali que se concentram tanto escolas de idiomas como residências estudantis. Apesar de pequeno, o distrito tem bares, restaurantes, clubes, pubs e festas para todos os gostos e que funcionam até altas horas, diariamente. Os estabelecimentos ficam um ao lado do outro e a grande maioria tem entrada gratuita, então se não gostar da música ou da vibe, é só partir para a festa ao lado.
Anota as dicas para já chegar bailando:

– Footloose Fun Bar – famosa pelas jarras de 1L de vodka com energético, para toda a galera beber junto. E você ainda pode exibir suas habilidades no pole dance que fica no meio do salão. Entrada gratuita.

– Native Bar – música latina, muito reggaeton e até funk carioca, lá é o lugar para dançar ao som das músicas que você canta junto. Tem happy hour de 18h a 19h30, com 2 drinks ao preço de 1. Entrada gratuita.

– Club Havana – a maior boate de Malta, conta com dois andares, vários bares internos e casa sempre cheia. Para dançar ao som de hip hop e R&B. Entrada gratuita.

3) Tem lugares tão incríveis que parecem coisa de cinema – e alguns são mesmo

Malta tem alguns lugares de cair o queixo e Hollywood sabe muito bem disso. Se você é fã de Game of Thrones, por exemplo, vai reconhecer as locações de cenas marcantes, como o casamento de Khal Drogo e Daenerys Targaryen. A estrutura de pedra em formato de arco no Mediterrâneo que foi pano de fundo da cerimônia é a Azure Window, um dos cartões postais do país, situada na ilha de Gozo. Ainda é possível conhecer o local, porém a formação rochosa infelizmente não existe mais: ela desabou em 2017 após uma forte tempestade. Para chegar em Gozo, basta pegar um ferry boat em Malta, com trajeto de 25 minutos e cujo ticket ida e volta custa € 4,65.

Se você for a Malta no verão, aproveite que está em Gozo para pegar uma balsa até a ilha de Comino. Lá fica a Blue Lagoon, que já apareceu no filme “O Conde de Monte Cristo”. A lagoa mais parece uma piscina, com águas incrivelmente cristalinas, e reza a lenda que ela também foi cenário do filme A Lagoa Azul – mas essa informação nunca chegou a ser confirmada. O ticket para ir de Gozo a Comino custa € 10 ida e volta e o trajeto leva cerca de 15 minutos.
Outro local que aparece em algumas cenas de Game of Thrones é Mdina, também conhecida como Cidade Silenciosa e antiga capital de Malta. Ela fica no alto de uma colina e tem apenas 300 habitantes em seus 9km². Somente os moradores têm permissão para andar de carro lá dentro, então a pedida é conhecer tudo caminhando. Não pense que é pouco: as ruas da cidade amuralhada de aspecto medieval são uma atração por si só.

Faça uma pausa no lindinho Fontanella Tea Garden para um café e aproveite para experimentar o pastizzi, salgado típico maltês, feito de massa folhada e recheios diversos, que custa menos de € 1. Depois, estique o passeio até o Mirante, que fica pertinho do restaurante, para ver o pôr do sol com uma vista panorâmica de Malta.

Um local que foi criado especialmente para ser locação de filme é a Popeye Village, na lindíssima Anchor Bay. A vila onde vive o marinheiro Popeye foi reproduzida para as gravações nos anos 80 e depois mantida como parque temático. Além de conhecer os espaços que serviram de cenário para o longa-metragem estrelado por Robin Williams, é possível fazer um passeio de barco pela baía e até mesmo dar um mergulho no verão. A entrada para o parque é paga (€ 15), mas a vista para Anchor Bay não custa nada e rende um pôr do sol de cair o queixo.

4) Você vai de uma cidade a outra como se estivesse mudando de bairro

Embora seja um local cheio de atrativos, Malta é o menor país da Europa em território. Sendo assim, você consegue conhecer as principais atrações em pouco tempo e com pouca grana, utilizando o transporte público. Os ônibus são confortáveis e bem conservados e o valor da passagem varia de € 1,50 a € 3, de acordo com a estação do ano ou o período do dia. Uma forma de economizar é comprando os tickets que permitem embarque e desembarque ilimitados nos ônibus. Eles podem ser adquiridos de acordo com o número de dias que você vai permanecer no país. Um exemplo é o ticket ExplorePlus, que custa € 21 e dá direito a embarques ilimitados durante 7 dias. Outra opção é o 12 Single Day Journeys, que permite fazer 12 viagens dentro do período de 1 ano, ao custo de € 15.

Outra opção para se locomover por Malta é alugando uma bicicleta. É só encontrar um dos terminais espalhados pela ilha, criar uma conta e sair pedalando. O sistema é bem parecido com o que encontramos em alguns lugares do Brasil. A vantagem é que se você já tiver adquirido um dos tickets para o transporte público, ainda garante um desconto na tarifa. Você pode consultar todos os preços, opções de transporte e comprar seus tickets antecipadamente no site Malta Public Transport.

5) Hostels com a arquitetura típica do lugar

Granny’s Inn Hostel 

Um dos símbolos da arquitetura de Malta são os ‘balconies’, as varandinhas coloridas que contrastam lindamente com os edifícios de calcário amarelado. São uma característica local tão importante que o governo tem um programa de restauração só para manter as sacadas preservadas. Elas podem ser vistas em residências por toda a ilha e até mesmo em alguns hostels, como o Granny’s Inn e o Two Pillows. Ambos ficam em Sliema, distrito que fica a 15 minutos da capital. O local é uma ótima opção para quem quer se hospedar entre o agito e a tranquilidade, desfrutar de bons restaurantes, bares, centros comerciais, além de uma bela orla para passear e curtir o visual da praia. Uma vantagem é que dá para ir de Sliema a Valletta de ferry boat ao custo de € 1,50 por trecho.

O Granny’s Inn é um hostel familiar, e por isso tem um clima mais intimista. O grande barato do Granny’s Inn é o rooftop, que permite um contato maior entre os hóspedes: dá para juntar a galera e fazer um churrasco, beber a cervejinha maltesa Cisk ou simplesmente bater papo ao ar livreJá o Two Pillows é um hostel boutique, o primeiro de Malta com esse conceito. O local foi reformado recentemente, tem design moderninho e conta com alguns luxos, como cozinha super equipada e ar condicionado em todos os quartos. Para completar, sauna e jacuzzi para os hóspedes relaxarem.São duas propostas bem diferentes, para atender a todos os gostos, mas ambas contam com o charme das inconfundíveis varandas coloridas nas suas fachadas.

6) Fica do ladinho da Itália

Malta está localizada na área central do Mediterrâneo, no Sul da Europa, a menos de 100km de distância da Sicília. Por esse motivo, é comum incluir no roteiro de viagem um bate volta até lá, por conta própria ou através de agências de turismo. Para ir à Sicília, você não precisa de visto e dá para chegar de ferry boat, saindo do porto de Valletta. O preço das passagens ida e volta varia de acordo com o tempo da viagem: no ferry que faz cada trecho em 1h45, o valor fica em torno de € 90; mas se você tiver muita paciência e topar fazer o mesmo trecho em 7h15, esse valor cai para € 43. Você pode conferir os tipos de embarcação, horários e preços no site Direct Ferries. A chegada na região, saindo de Malta, é pelo porto de Catania, segunda maior cidade da Sicília e famosa por estar aos pés do vulcão Etna.

Outra forma de respirar um pouquinho mais dos ares italianos é aproveitando as escalas. Não há voos diretos do Brasil até Malta e as escalas geralmente são em Roma. Dependendo do tempo disponível entre um voo e outro, vale a pena aproveitar para ver alguns dos pontos mais famosos, como o Coliseu, a Fontana di Trevi, o Vaticano… Há um trem que sai do aeroporto e te leva à estação de metrô Termini. São duas as opções de ticket por trecho: a mais barata custa € 8 e o trajeto dura 1h15. Já a opção mais rápida (e recomendada em casos de escalas mais curtas) custa € 14 e faz o trajeto em 30 minutos. No site da Trenitalia , você pode conferir mais informações sobre horários, preços e comprar seu ticket antecipadamente se desejar. Chegando em Termini, é só escolher o local que você quer visitar e descer na estação de metrô mais próxima: a de nome Coliseu, por exemplo, te deixa literalmente de cara com o monumento. O ticket do metrô custa € 1,50 e é válido por 75 minutos para embarque e desembarque.

Motivo bônus: Para completar, o clima em Malta é sempre agradável, com verão ensolarado e inverno mais ameno que em alguns países da Europa. Não importa em que época do ano você viaje, dificilmente você sairá de lá sem curtir dias de céu limpinho, mesmo no auge do frio. Se for no verão, vai encontrar o país bem cheio, mas vai conhecer o mar Mediterrâneo na sua melhor forma: as praias são lindas, daquele azul que a gente nem acredita que é possível.

E aí, já está convencido a incluir Malta no seu roteiro de viagem?

📚 Sobre a Autora 📚

Tenho 36 anos, sou carioca da gema, pesquisadora de profissão e viajante de coração. Acredito que viajar é para todos, independente de idade, gênero ou estilo. Mas sei que para nós, mulheres, essa é uma barreira vencida toda vez que uma de nós resolve cair na estrada e explorar o mundo. Compartilho minhas viagens periodicamente no blog Na Estrada com as Minas e no meu Instagram.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/visitar-malta/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Laura Carniel

I'm Laura, Brazilian, and I'm obsessed with dogs, films, sharing good stories with friends and discovering quirky places. Social Media & Content Executive and #HostelworldInsider at Hostelworld. 🌏 Favourite place on earth: London, UK. 🏠 Favourite hostel: Oki Doki Hostel - Warsaw, Poland. Follow my travel adventures and loads of dogs on Instagram @astaclivo 🐶✈️

Inspire-se

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.