Viajando de cadeira de rodas

Viajando de cadeira de rodas

O estilo de vida mochileiro sempre atraiu a mim, Maria José, e a meu marido Javier. O fato de que Javier usa cadeira de rodas (ele é quadriplégico com lesão completa das vértebras C5-C6) nunca foi motivo para que não viajássemos e ficássemos em hostels. Já tendo feito várias viagens curtas juntos, no dia 30 de julho de 2018, demos início a uma aventura de três meses e meio. Bali, Japão, Turquia, Israel e Grécia foram alguns dos países que visitamos. Para economizar, optamos por ficar em hostels: alguns com beliches, alguns somente acessíveis por degraus e outros em lugares remotos normalmente não recomendados para cadeirantes. Claro, enfrentamos dificuldades ao longo do caminho, mas no geral, encontramos formas de lidar com a situação e aproveitar nossa viagem!

Tivemos uma experiência tão incrível que encorajamos qualquer pessoa portadora de necessidades especiais a irem explorar o mundo, sem precisar de um grande grupo de pessoas acompanhando ou de um orçamento alto. Se locomover é fácil se você planejar um trajeto que funciona para você e pedir ajuda das pessoas que encontrar durante a viagem. Nós percebemos que todo mundo fica feliz em auxiliar, e com a ajuda dos outros, conseguimos chegar em lugares antes inimagináveis!

Então aqui vão as nossas principais dicas para viajar em cadeira de rodas.

travel-with-a-wheelchair-@ruedanomada

1. Antes de viajar

Manutenção da cadeira de rodas

Antes de fazer qualquer coisa, sua cadeira de rodas vai precisar de uma manutenção. É importante checar os freios, pneus, câmera reversível, rolamentos da roda dianteira e os suportes. Quanto mais tempo você planejar ficar fora, mais preparado você tem que estar. Como íamos viajar por três meses, compramos rodas novas (Schwalbe Marathon Plus) e levamos um par extra de câmaras de ar e alguns rolamentos da roda dianteira e suportes extras. Nós também precisamos de um kit de ferramentas com um conjunto de chaves hexadecimais e alicates. Veja quais ferramentas são mais importantes para sua cadeira de rodas e leve elas com você na sua aventura. Você também pode precisar levar um pouco de lubrificante para manter os eixos e rolamentos girando suavemente, especialmente se você planeja levar a cadeira de rodas em algum lugar úmido, com lama ou com terreno arenoso.

Javier usa uma cadeira de rodas manual, então, na nossa viagem, precisamos de um aparelho SmartDrive (um motor de conecta na parte de trás da cadeira). Se você já tem um, verifique se está em boas condições; você vai precisar dele todos os dias!

traveling in a wheelchair wheelchair maintenance

Escolhendo o lugar certo para ficar

Quando for procurar onde ficar no site do Hostelworld, verifique se o hostel tem elevador ou dormitórios no térreo. Às vezes a maioria das opções acessíveis à cadeirantes vão estar fora do seu orçamento; nesse caso você vai precisar pesquisar se é possível ficar nos lugares mais em conta. Você pode fazer isso checando fotos do hostel ou entrando em contato com eles diretamente (por telefone, email ou Facebook). Nós ficamos em hostels com quartos compartilhados em Tóquio (Anne Hostel Yokozuna), Istanbul (Bunk Hostel), Jerusalém e Barcelona (St Christopher’s).

2. Quando chegar

Privacidade dos dormitórios

Quartos compartilhados em hostels nem sempre são espaçosos e pode ser difícil ter privacidade, então você terá que usar seu bom senso e ser criativo. Primeiro, escolha um dormitório com o menor número de camas possível: idealmente não mais do que oito, mas às vezes você terá que ficar em quartos com doze camas. Quanto menos pessoas em um quarto, mais privacidade você terá.

Quando for reservar um quarto, lembre-se de avisar o hostel que você é um cadeirante e que precisará da cama de baixo da beliche. Outro fator importante a considerar é se as camas tem cortinas. Se isso não é uma opção, você pode criar sua própria cortina com um lençol ou toalha em volta da cama para ter um pouco de privacidade. Os hostels em Tóquio e Barcelona tinham camas com cortinas, o que facilitou um pouco nossa vida!

Banheiros

Nos perguntam muito como fizemos para usar o banheiro nas nossas viagens. Se você é cadeirante viajando com um orçamento limitado, você precisa se preparar para fazer alguns sacrifícios. Espere tomar banhos com menos frequência, usar banheiros públicos e escovar seus dentes fora do banheiro. Muitas acomodações não são equipadas com lugares acessíveis, então esteja preparado para procurar por alternativas. Às vezes, nós tivemos que usar o banheiro em aeroportos, trens e shoppings. Quando passávamos vários dias seguidos em lugares sem banheiros acessíveis, gastávamos um pouco no dia seguinte para que pudéssemos ficar em um lugar que tivesse.

3. Carregando bagagens

Na nossa viagem, nós carregamos nossas malas em dois. Como viajamos por três mese e meio, levamos duas mochilas grandes e uma menor para o dia a dia. Javier carregava a mochila de 65L na sua cadeira e a menor no seu colo. Se você fizer isso, é preciso verificar se a mochila menor é pesada o suficiente para compensar o peso da maior para evitar que a cadeira de rodas vire para trás.

A vantagem de usar cadeira de rodas é que você pode levar bastante peso sem necessariamente afetar o seu trajeto. Dito isso, sempre verifique as condições do chão e fique atento a suas rodas da frente quando tiver que andar por terrenos acidentados e irregulares. Eu carreguei uma mochila de 40L, já que tive que deixar as minhas duas mãos livres para mover a cadeira de rodas. Quando viajamos com duas cadeiras de roda, Eu deixo minha bagagem no assento da cadeira extra enquanto empurro ela, o que significa que o cadeirante tem que se locomover independentemente.

travelling in a wheelchair carrying bags

4. Viajando por cidades e parques nacionais

Os padrões de acessibilidade eram muito diferentes em cada um dos lugares que visitamos. Nas áreas urbanas com calçadas bem planejadas e rampas, não tivemos problemas nenhum em nos locomover. Mas você também deve se preparar para lugares com calçadas estreitas, superfícies irregulares e sem rampas de acesso. Isso sem mencionar obstáculos como árvores, postes e ruas sem calçada nenhuma!

Dicas úteis

Ao enfrentar obstáculos e terrenos irregulares, achamos úteis as seguintes dicas:

Desça ladeiras com duas rodas, de frente.

Desça ladeiras bem íngremes de costas. O acompanhante do cadeirante deve deixar seus braços completamente retos para que suas pernas carreguem o peso, não seus braços ou costas. Desta forma, o cadeirante evita ficar de cara para a ladeira, e tem menos risco de cair. Além disso, assim ele consegue balançar o peso acionando os freios.

Passe por buracos com duas rodas.

Desça rampas de acesso de costas em quatro rodas.

Quando o caminho se tornava complicado demais para nós dois, pedíamos ajuda a uma terceira pessoa.

Houve momentos durante nossa viagem em que não havia nenhum transporte público acessível para os lugares que queríamos conhecer. Isso aconteceu em Bali, em Creta e em Sicília. Nessas ocasiões, decidimos alugar um carro. Pesquise as opções disponíveis no Google e não pegue a primeira disponível – nós acabamos alugando um carro por 3 euros em Sicília!

travelling in a wheelchair getting around

5. Acessibilidade em diferentes países e cidades

Classificamos os países e cidades em que visitamos de acordo com seu nível de acessibilidade à cadeirantes.

Mais acessíveis

Os vencedores foram Barcelona (a única cidade espanhola que visitamos) e o Japão, principalmente Tóquio e Kioto, com menos infraestrutura conforme nos distanciávamos das cidades grandes.

Aeroportos impecáveis, com excelentes cuidados para cadeirantes.

Banheiros públicos e em restaurantes acessíveis.

Calçadas impecáveis.

Rampas de acesso bem feitas.

Transporte público acessível a cadeirantes: elevadores nas estações de metrô, táxis acessíveis etc.

Hostels acessíveis a cadeirantes.

Mais ou menos

Os locais que achamos mais ou menos acessíveis foram Creta, Sicília e Jerusalém.

Aeroportos impecáveis, com excelentes cuidados para cadeirantes.

Banheiros públicos com acessibilidade limitada.

Calçadas em condições decentes na maioria dos lugares.

Rampas de acesso inadequadas.

Transporte público não muito acessível em Creta e Sicília. Creta tinha ônibus intermunicipais acessíveis, mas nada além disso. Sicília tinha alguns trens acessíveis em Palermo. Jerusalém, no entanto, tinha transporte público 100% acessível.

Menos Acessíveis

As cidades no Egito, Bali e Turquia são as menos adequadas para cadeirantes, com baixos padrões de  acessibilidade.

Os funcionários dos aeroportos não tinham treinamento para lidar com cadeirantes – na maioria das vezes, eles não faziam ideia do que fazer. Na Indonesia, fomos forçados a subir no avião pelos degraus já que não havia nenhum elevador.

Nenhum banheiro acessível a cadeirantes.

As calçadas eram estreitas e em péssimas condições, portanto tivemos que andar na rua.

Sem rampas de acesso.

Nenhum transporte acessível a cadeirantes no Egito ou em Bali. No entanto, na Turquia, conseguimos utilizar o metrô e a balsa.

 

Então, como você pode ver, os padrões de acessibilidade variam bastante de um destino para outro. A infraestrutura acessível não foi uma prioridade para a gente quando escolhemos onde viajar, mas entendemos que esse pode não ser o caso para outros viajantes. Apesar disso, é importante sempre lembrar de se informar sobre cada destino antes de você chegar lá e planejar com antecedência.

Esperamos que, depois de ler nosso artigo, você tenha uma boa ideia de como é mochilar de cadeira de rodas! Enquanto tiver vontade, há sempre uma forma de fazer acontecer, então viaje – mesmo com um orçamento limitado – as pessoas estão sempre prontas para ajudar!

 

travelling in a wheelchair least asscesible

📚 Sobre os Autores 📚

Rueda Nómada (“Roda Nômade”)

María José e Javier, cadeirante, passam seu tempo viajando pelo mundo com um orçamento limitado, ficando em dormitórios compartilhados e se locomovendo em transporte público. Eles mantêm um blog, que muita gente a conhecer o mundo e pessoas de todos os lugares. Sigam as aventuras do casal no seu Instagram!

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/viajando-de-cadeira-de-rodas/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Laura Carniel

I'm Laura, Brazilian, and I'm obsessed with dogs, films, sharing good stories with friends and discovering quirky places. Social Media & Content Executive and #HostelworldInsider at Hostelworld. 🌏 Favourite place on earth: London, UK. 🏠 Favourite hostel: Oki Doki Hostel - Warsaw, Poland. Follow my travel adventures and loads of dogs on Instagram @astaclivo 🐶✈️

Inspire-se

2 Responses to “Viajando de cadeira de rodas”

  1. Márcia Lauermann Responder

    Adorei. Sou cadeirante e estou me preparando para minha primeira viagem internacional. FELICIDADES. Att. Márcia.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.