Road Trip de 40 dias pela Patagônia

Road Trip de 40 dias pela Patagônia

Viajar é incrível, isso nem preciso dizer, né? Seja de carro, de avião, de trem, de bicicleta, ou a pé. Mas para nós, viajar de carro é a forma mais mágica que existe.

A ideia de rodar centenas de quilômetros por dia por estradas desconhecidas, sempre nos deixa super empolgados, porque para nós a jornada é tão (ou mais) importante quanto o destino.
No ano anterior viajamos para o deserto Atacama, e Salar de Uyuni, nos apaixonamos tanto pela experiência e já fomos planejando a próxima, e dessa vez queríamos um desafio maior, chegar a Ushuaia. Começamos a pesquisar e planejar o roteiro, e vimos que Ushuaia seria apenas uma das tantas maravilhas que a patagônia oferece.

Olhamos vários relatos, pesquisamos bastante, conversamos com diversos brasileiros que fizeram esse mesmo trajeto e fomos selecionando nossas possibilidades. Foram meses de planejamento, economias e organização. Equipamos nosso carro, fizemos as revisões necessárias e optamos por investir em uma barraca de teto, que nos daria a liberdade de dormir em qualquer lugar que quiséssemos.

Pelos relatos e fotos de outros viajantes, imaginávamos o que estava nos esperando, mas nada compara a experiência que tivemos. Vamos tentar relatar essa experiência aqui!

Informações Úteis

🚘 Documentação necessária para dirigir na Argentina e Chile

Cada país tem suas regras se tratando de trânsito, e viajar de carro pela Argentina e Chile requer um cuidado especial com o automóvel. É melhor se equipar e se informar bem sobre suas leis para não sofrer com eventuais contratempos na sua viagem.

👉 Carteira Nacional de Habilitação (CNH)

Como a Argentina faz parte do Mercosul, não é necessário emitir o PID (permissão internacional para dirigir) mas para o Chile é necessário.

👉 Seguro Carta Verde

É o seguro obrigatório contra terceiros, cobre eventuais danos a outras pessoas ou veículos, e não para o próprio carro. Pode ser contratado pelas seguradoras no Brasil.

💡 Como o Chile não faz parte do Mercosul, precisa pedir uma extensão no seguro e inclui-lo na carta verde, ou fazer o Soapex.

👉  Extintor, 2 triângulos de sinalização, cambão, kit de primeiros socorros, uso de cinto de segurança.

Alguns desses itens não nos foram solicitados, mas para própria segurança é importante tê-los.

👉 Transitar nas estradas com os faróis acesos o tempo todo;

Na Argentina, para veículos de grande porte (pick-ups, trailers, vans, micro-ônibus, etc) é necessário colar na traseira do veículo um adesivo da velocidade máxima permitida e adesivos luminosos de sinalização. No nosso caso, viajamos com uma Pajero Sport, colamos o adesivo de 110km/h. Esses Adesivos são encontrados em postos de gasolina ou lojas de autopeças na Argentina. É muito importante fazer esse procedimento logo na entrada do país.

👉 Os carros não podem circular com engate para reboque na Argentina

Muito importante!! Não nos informamos dessa lei, e tomamos uma multa de 2.800 pesos!

👉 Documentação do carro em dia

Se seu veículo não estiver quitado, será necessária uma autorização do banco ou entidade responsável pelo financiamento.

👆 RG atualizado

Não é necessário passaporte!

💰 2.  Principais gastos

De longe, o que mais gastamos foi com combustível. Foram 13 mil km no total, nossa Pajero fez em média 7.5 o litro, e o valor do diesel estava um pouco mais caro que no Brasil, mas é mais forte, e faz mais quilometragem. O valor do litro do diesel estava entre R$ 3,50 até R$ 5,50.

Com alimentação, conseguimos economizar um pouco pois cozinhávamos na maior parte da viagem. Algumas vezes comemos fora, mas na maioria, comprávamos comida e fazíamos no nosso fogão portátil. É importante lembrar que nas aduanas entre Argentina e Chile, é proibido passar com qualquer alimento de origem animal e vegetal, eles confiscam tudo, e podem aplicar uma multa. Perdemos nossa preciosa lenha para fogueira ☹ mas tivemos sorte de não tomar uma multa.

Os passeios e entradas nos parques não são muito baratos por lá… Há muitas agências de turismo, mas se estiver disposto, vários passeios são possíveis fazer sozinho. Entradas de parque, trekkings guiados e navegações não tem muita saída, tem que ser contratados.

💵 3.  Câmbio

Uma dúvida muito grande é sobre o dinheiro. Levar dólar, peso ou real? Levar todo o valor em espécie, ou usar o cartão de crédito? A decisão é bem pessoal. Nós optamos por levar uma parte em dólar para cambiarmos no Chile, e uma parte em real para cambiar na argentina. No chile, trocamos todo dólar em Puerto Natales, 620 pesos o dólar. Na Argentina, trocamos em Buenos Aires por 5,50 pesos o real, e em Ushuaia por 5,20.

Levamos grande parte do valor em espécie, e usamos o cartão de crédito para despesas extras. Para usar cartão de crédito, lembre-se que é preciso libera-lo para uso internacional.

📌 4. Outras Dicas

👉 Fique ligado no combustível! Em alguns lugares, a distância entre os postos de combustíveis é de até 300km. Não levamos galão reserva e em algumas vezes quase ficamos sem combustível.

👉 Toda ajuda é bem-vinda, inclusive de aplicativos! Usamos o app do Google Maps para GPS; o iOverlander para informações gerais sobre cada local, como campings, postos de combustível, mecânicos, atrativos da região, etc.; google tradutor, quando a gente se apertava na língua e VSCO, para edição de algumas fotos.

🗺 Sobre o nosso roteiro 🗺

Saímos do brasil por Uruguaiana-RS e seguimos para Federación-AR, Buenos Aires, descendo pela ruta 3 para Bahia Blanca, Puerto Pirâmides, Rada Tilly, Rio Gallegos Entramos no Chile e atravessamos o estreito de Magalhães com a balsa. Seguimos até entrar na Argentina e pegar novamente a ruta 3 e seguir até Ushuaia.

Na volta, saímos de Ushuaia para Puerto Natales, Torres del Paine, El Calafate, El Chalten, Chile Chico onde começamos a carreteira austral. Fomos para Cochrane, Tortel, Puerto Rio Tranquilo, Coihaique, saindo da carreteira em Futaleufu. Seguimos para Bariloche, Villa La Angostura, Puerto Varas, no Chile, e subimos para Pucon, onde tivemos um problema no carro, e tivemos que refazer nosso trajeto da volta. Iríamos para Santiago e Mendoza ainda, mas como ficamos duas semanas parados em Pucon, resolvemos encurtar nosso retorno por Santa Rosa, Federación, e finalmente Brasil.

Cidades Destaques

Buenos Aires

Buenos Aires é uma cidade de uma viagem só. Há muito o que fazer, desde programas diurnos a barzinhos e restaurantes para noite. Para aproveitar tudo o que ela oferece com calma, é necessário tempo. Como ficamos só um dia, fomos apenas até o bairro La Boca, fizemos o tour no estádio La Bombonera, (pagamos 400 pesos, cerca de R$80,00 para os dois). O estádio fica a apenas três quadras do Caminito que é um dos pontos mais visitados da cidade, conhecido por suas ruas e casas coloridas.  Há vários restaurantes, cafés, lojas de artesanato, souvenirs, barracas de feirinha de rua, e apresentações de Tango. Os restaurantes são carissimos, e as 18h já não atendem mais, mas chegamos meia tarde lá e deu tempo de conhecer bastante coisa.

 

Hostels em Buenos Aires 

Puerto Pirâmides/Península Valdes

Estávamos ansiosos e curioso para chegar em puerto pirâmides, e logo na chegada, nos surpreendemos com a imensidão daquele lugar. Foi um dos pontos mais altos da viagem, e precisamos ficar dois dias para curtir um pouco mais o lugar. Andamos cerca de 200km das estradas de rípio da península valdes, seguimos para caleta valdes, subimos até punta norte, e voltamos a puerto pirâmides. Vemos lobos e elefantes marinhos e pinguins, que habitam as encostas, e muitos guanacos pela estrada! A ingresso para entrada na Península Valdes é cerca de 415 pesos argentinos.

Em Puerto Pirâmides, há agências que oferecem navegação para ver as baleias, mas o preço é um pouco salgado, em torno de 1400 pesos por pessoa.

No último dia, fomos presenteados pelo pôr do sol mais lindo da nossa vida, dando ainda mais vontade de voltar pra lá, sem nem mesmo ter partido.

Ushuaia

Ushuaia era um dos destinos mais aguardados. O planejamento da nossa viagem começou com a curiosidade de conhecer a cidade mais austral do mundo. Chegar lá de carro nos deu uma sensação indescritível, era nosso primeiro grande objetivo alcançado, uma sensação de dever cumprido. Imaginávamos que o “fim do mundo” seria uma cidade pequena, tranquila, com poucos habitantes, e no deparamos com uma cidade muito movimentada e barulhenta. Dirigimos muito nesse dia, então a chegada da cidade foi um pouco decepcionante para nós. Mas assim que encontramos um hostel, nos situamos na cidade, essa sensação logo passou, e nos sentimos acolhidos e loucos para conhecer cada cantinho.

Ushuaia é uma cidade muito turística, e por isso, os passeios e pacotes são bem caros. Mas existem opções baratas que você pode fazer sozinho. A laguna esmeralda, é um exemplo. Com uma trilha de dificuldade moderada, entre bosques e montanhas, a laguna surge e te deixa sem palavras. Tem quase 10km ida e volta e cerca de 4 horas de duração.

 

O Glaciar Martial é outro passeio incrível de Ushuaia. A subida até lá é um pouco íngreme, mas pode se fazer sozinho. Leva cerca de 40 minutos, e vale muito a pena. Tem neve praticamente o ano todo, e é cercado por uma paisagem incrível, com árvores, água do degelo e os Andes. A visão de Ushuaia de lá de cima é surpreendente.

Fomos também ao Parque Nacional Tierra Del Fuego, e dirigimos até o final da ruta 3, na Bahia Lapataia. Há muitas trilhas para lagos dentro do parque, mas nosso objetivo era apenas chegar ao final da ruta 3, então não fizemos nada mais.

A entrada para o parque custa 350 pesos por pessoa.

Se quiser um passeio como a navegação até o canal de beagle, não tem como fugir de agência de turismo, e o preço é um pouco salgado, mas vale cada centavo. Fizemos e foi um dos melhores passeios de toda viagem. O barco parte do porto de Ushuaia e passa pelo canal de Beagle, a ilha dos pássaros, ilha dos lobos, e contorna o Farol Les Eclaireus, mais conhecido por Faro del fin del mundo. A navegação por si já é linda!  A visão da cidade cercada pelas montanhas e glaciares é incrível.

 

 

 

Hostels em Ushuaia

Torres de Paine

Acho que esse foi o destino mais aguardado de toda a viagem para mim (Eduardo). A cada quilômetro que percorríamos, a ansiedade aumentava para chegarmos ao nosso destino.
Torres del Paine é um parque nacional declarado Reserva da Biosfera pela Unesco e se mantém como uma das áreas mais bem protegidas do planeta. São quase 800 mil km² de paisagens de tirar o fôlego, um ambiente quase inabitado por homens, mas repleto de vida.

Chegamos cedo lá, pagamos a entrada (21 mil pesos por pessoa) e ficamos um dia inteiro explorando o parque pelas estradas que o cortam. Visitamos vários lugares incríveis, destaque para o Lago/Glaciar Grey e o Lago Pehoe.

No outro dia, assim que amanheceu, saímos para o trekking até a base das Torres. A trilha é bem pesada, são 20km de muitas subidas, pegamos muito vento e a subida final é realmente difícil, mas todo o cansaço foi recompensado quando chegamos na base das torres.

A laguna é de uma beleza indescritível, ficamos um bom tempo contemplando o que não parecia ser real de tão belo. É muito cansativo, mas com certeza recomendamos a todos e garantimos de vale a pena o perrengue.

Algumas dicas

👉 Para fazer o circuito W ou O é obrigatório a reserva antecipada dos campings ou refúgios pelo caminho. A reserva pode ser feita pelo site  Para o trekking até a base das torres não é necessário.

👉 Leve um lanche para recuperar as energias. Não se preocupe tanto com a água, pois há muita água de degelo pelo caminho.

👉 Em Torres venta muito, então casacos corta vento são indispensáveis, ajudam muito e são leves para carregar. Assim como luvas e tocas.

👉 Puerto Natales é a cidade base para o parque. Lá você encontra mercados, farmácias e lugares para dormir. Além disso, saem ônibus todos os dias para o parque, normalmente os horários de partida são 7:30 e 14:30. Mas se preferir, há várias agências de turismo também.

👉 Se for de carro, abasteça bem em Puerto Natales, pois você vai andar muito dentro do parque e pode se apertar, pois não há postos ali perto. O próximo posto que encontramos foi em Tapi Aike, na Argentina, a caminho de El Calafate.

EL Calafate

A cidade de Calafate é relativamente pequena, muito aconchegante e agradável. Nosso objetivo era conhecer o glaciar perito moreno, no parque Los Glaciares, que fica a 80km de Calafate. Ficamos boquiabertos assim que ficamos frente a frente com a imensidão do perito moreno.

Há três formas de conhecer o Perito moreno: pelas passarelas, por navegação e caminhando sobre o gelo, os chamados Big-Ice. Pelas passarelas, é importante reservar um texto extra para visualizar o glaciar por todos os lados, e se tiver sorte, ver os blocos de gelo se desprendendo e caindo na água. As navegações saem do parque Los glaciares, e passam bem perto do glaciar.

E para o Big-Ice, é preciso contratar por agência, e pagar um valor relativamente alto pela experiência. Não fizemos esse passeio, mas com toda certeza será nossa prioridade quando retornarmos!

A entrada no parque Los Glaciares custa em média 500 pesos por pessoa.

Hostels em El Calafate 

El Chalten

El Chalten é um atrativo pra quem é apaixonado por trekking, montanhismo e natureza. Como é uma cidade turística, não é muito barata, mas é possível fazer a maioria das trilhas sozinho, já que são todas muito bem sinalizadas, o que é uma economia.

Fizemos o trekking para a Laguna Torre, que são 20km (ida e volta) e dura em média 8 horas. É um trekking relativamente fácil, não há muitos obstáculos, e o caminho é lindo.

No dia seguinte fizemos o trekking para a Laguna de los Três e o Monte Fitz Roy, que é de uma dificuldade maior, são cerca de 23km (depende de onde iniciar). Nós começamos a trilha na Hosteria El Pilar, que fica a 9km da cidade (fomos de carro até lá, mas é possível ir de ônibus). O começo do caminho é lindo, tem algumas subidas e descidas, mas é tudo na sombra dentro de um lindo bosque até chegarmos no mirador do Glaciar Piedras Blancas.

Logo após, já começamos a avistar o imponente Fitz Roy, que vai chegando cada vez mais perto. O último quilômetro é realmente difícil, uma subida terrível, mas que vale muita pena, a Laguna de los Três é sensacional, vale a pena gastar um bom tempo contemplando a sua beleza. E ainda, caminhando somente mais alguns metros, é possível avistar a Laguna Sucia que é encantadora também.

Hostels em El Chalten 

A Carretera Austral

Dirigir na carreteira austral era um de nossos principais objetivos, pois se trata de uma das estradas mais belas do mundo. Saímos de Chile Chico e antes de entrarmos na Carretera Austral, já nos deparamos com uma estrada espetacular, contornando o lago General Carrera.

Passamos a primeira noite em Cochrane, no dia seguinte descemos até a Caleta Tortel, um povoado onde não há ruas, somente passarelas e escadarias de madeira.

Não que seja necessário um 4×4 para cruzar a carreteira, mas praticamente todo caminho é rípio, com curvas fechadas, pedras soltas e buracos (muitos buracos). É preciso muito cuidado e dirigir devagar, pois a estrada é bem estreita e relativamente movimentada. Mas de qualquer forma, a paisagem não deixa você dirigir muito rápido mesmo.

Ainda na carreteira, fomos até Puerto Rio Tranquilo. De lá, saem passeios de barcos para as Capillas de Mármol, que são várias cavernas de mármore maciço, esculpidas pelas águas do Lago General Carrera. Pagamos 10 mil pesos por pessoa pelo passeio, que valeu muito a pena.

Não fizemos a Carretera Austral completa, saímos em Futaleufú. É um caminho bem exaustivo e demorado, esteja preparado. Mas a paisagem compensa tudo!

Bariloche e Villa la Angostura

Bariloche é um dos principais destinos de inverno para a prática de esporte. Lá se encontra o Cerro Catedral, maior estação de esqui da América Latina. Nas outras estações também é possível aproveitar as belezas naturais de lá, com escaladas, caminhadas, caiaquismo, rafting, por exemplo.

Não ficamos muito tempo em Bariloche. Chegamos tarde e deu tempo de dar uma volta pela cidade apenas. Ficamos no hostel Moving e a noite fomos no Pub Manush, ficamos encantados com o ambiente e com a ótima gastronomia.

No outro dia, partimos cedo para Villa La Angostura, que fica a cerca de 80km de Bariloche. O dia estava um pouco chuvoso, então aproveitamos para relaxar e conhecer a cidade, que é muito aconchegante. Villa La Angostura fica em meio a uma região montanhosa, cercada de bosques, vales e lagos de cores surreais, como o rio correntoso. Todas as construções tem um estilo alemão, que dão um charme ainda maior pra cidade considerada uma das mais belas da Argentina.

Hostels em Bariloche

Hostels em Villa La Angostura 

Pucón

Chegamos em Pucón de um jeito que não esperávamos: Em cima de um guincho. Tivemos um problema no motor do carro, o que nos levou a ficar 14 dias em uma oficina lá. Mas vamos falar apenas das coisas boas da cidade, hehe.

Pucón é uma cidade relativamente pequena, mas com muitos lugares bonitos a serem vistos e vários passeios disponíveis. É mundialmente conhecida pelo seu Vulcão Villarrica, que está sempre soltando uma bela fumacinha.

Fomos até um dos pontos mais visitados da cidade: os Ojos del Caburga. São lindas cachoeiras, que ficam a somente 17km da cidade. Como estávamos com o carro na oficina, fomos com o ônibus local mesmo, pagamos 700 pesos por pessoa pela passagem e 1500 pesos pela entrada.

Mas o que mais recomendamos na região com certeza são as Termas Geométricas. São termas de águas quentes naturalmente, em meio a natureza, onde corre a água de uma cachoeira e ao mesmo tempo ficam as piscinas de temperaturas que variam entre 35 e 45º, o visual é incrível e a experiência muito relaxante. Pagamos 38 mil pesos por pessoa pelo passeio com agência, fomos de van, parando em alguns pontos turísticos no caminho.

Uma boa opção também é o Parque Huerquehue, que não conseguimos ir, mas muitas pessoas indicaram. É uma boa pedida pra quem gosta de trekking, com lagos e cachoeiras pelo caminho.

Outra coisa que não fizemos foi subir o Vulcão Villarrica. É um dos motivos que leva vários viajantes à cidade, mas achamos muito caro e não fizemos desta vez, cerca de 100 mil pesos por pessoa.

Além desses principais destinos, nos surpreendemos muito com algumas cidades que paramos pelo caminho. Logo na nossa primeira parada, ficamos apaixonamos por Federación, que é cercado pelo Rio Uruguai, repleto de termas e parque aquáticos. Perfeito para descansar e relaxar depois de dirigir centenas de quilômetros. Rada Tilly também nos encantou. Fica perto de Comodoro Rivadavia, uma cidade grande onde muitos viajantes usam de ponto de descanso. Mas sugerimos ficar em Rada Tilly, muito mais bonita e tranquila. Usamos Puerto Natales para desfrutar de um dia de folga, é ótimo para descansar e relaxar antes de enfrentar um dia intenso em Torres del Paine.

Hostels em Pucon 

Fizemos um vídeo com um pouquinho de cada lugar que mais amamos. Não é nem 10% do que vivemos nesses 40 dias de estrada, mas esperamos que dessa forma conseguimos repassar um pouco mais do que foi esses dias incríveis na Patagônia!

📚 Sobre Os Viajantes 📚

Somos Eduardo Ely e Sara Heffel, catarinenses de Chapecó, apaixonados por viagens de carro, estamos sempre planejando nossa próxima trip. Viver novas experiências, conhecer novas pessoas e culturas e enfrentar o desconhecido nos motivam a seguir em frente. Eduardo, é designer e ilustrador, e a Sara é fotógrafa. Somos freelancers e trabalhamos em casa.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/road-trip-pela-patagonia/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Laura Carniel

Inspire-se

46 Responses to “Road Trip de 40 dias pela Patagônia”

  1. Lindo! Já tinha acompanhado essa viagem pelo facebook, mas viajei outra vez lendo o texto e revendo algumas fotos. Parabéns!

    • Pior que foi sério… Quebrou uma biela, e consequentemente um pistão e outras coisas… ficamos 14 dias lá, tivemos que retificar…

  2. Olá Eduardo! Gostaria de parabenizá-los pela coragem! Uma iniciativa que realmente leverão todas as lembranças para toda vida e além disso estimularão a muitos! Ficaram lindas as fotos!

    • Muito obrigado cara! Com certeza, levaremos pra vida toda!
      E o objetivo do relato é justamente estimular o máximo de pessoas a fazerem o mesmo, porque vale muito a pena! 🙂

  3. Estou pensando em fazer uma Road trip entre Santiago e punta arenas, tem ideia de quantos dias seriam necessários? Alguma dica além das que estão aqui? Amei a viagem de vocês!

    • Oi Lorena!
      Com certeza será uma ótima viagem! Nós não conseguimos ir até Santiago devido ao problema que tivemos com o carro… mas tem MUITA coisa legal nesse caminho! 🙂

  4. Vou fazer uma viagem parecida ano que vem, quero ir com um mini trailer, vi que usaram barraca de teto, como foi sua experiência para pernoitar na estrada?

    • Olá Saulo!
      Foi tudo muito tranquilo, todo o caminho tem a estrutura necessária e é muito seguro.
      A única coisa que nos tirou um pouco o sono foi o vento, porque a barraca balançava bastante quando o vento era muito forte.
      Mas se vai com trailer, vai tranquilo!

  5. Marco Aurélio harter Responder

    Eu e minha namorada estamos indo no inverno, esses tracking estão disponíveis também sem contactar agência de turismo por lá ?

    • Opa Marco.
      Só vi tua mensagem aqui agora, me desculpe.
      Acredito que no inverno alguns trekkings fiquem indisponíveis, principalmente em Torres del Paine
      Se ainda quier dicas, me encontra no instagram (@eduardoely) que terei o prazer de ajudar.

      Grande abraço!

  6. parabéns pelo percurso! vou fazer algo muito parecido com um amigo agora em Julho. 25 dias mais ou menos, até ushuaia pelo Chile e subir pela Argentina.. o vídeo ficou sensacional e só deu mais pilha de ir!! não achei vocês no Instagram.

    • E aí Leandro!
      Puts cara, só vi a mensagem agora aqui, foi mal..
      Já fizeram a viagem? Como foi?
      Se ainda tiver duvidas me encontra no instagram (@eduardoely) que terei o prazer de ajudar.

      Grande abraço!

  7. Ola, tambem sou de Chapecó e estou planejando ir em dezembro/janeiro com minha namorada. Sem levar barraca para dormir sera que da pra fazer o mesmo trajeto com 15.000,00? Nao teremos tantos dias, acredito que em torno de 20 dias. Agradeco por qualquer informacao.

    • E aí Péricles!
      Dá sim! A gente só gastou bastante mesmo porque tivemos problema com o carro e tivemos que fazer todo o motor em Pucón/CHI.
      Se quiser mais dicas, me encontra no instagram (@eduardoely) que terei o prazer de ajudar.

      Grande abraço!

  8. Diogo Miguel Klutchcouski Responder

    Boa tarde!
    Sensacional o relato de viagem!
    Eu e minha noiva estamos planejando um roteiro para lá de lua de mel 😀 e estamos usando o de vocês como base, pois nos pareceu realmente incrível!

    Gostaria da opinião de vocês em uma questão: estamos planejando fazer essa trip no inverno… vocês acham que com um C3 1.6, e a possibilidade de neve, esse roteiro é viável?

    Grato desde já!

    Abraço!!

    • E aí Diogo! Tudo certo?
      Dá sim, rola fazer com qualquer carro.
      Só com a neve tu vai precisar se equipar um pouco mais.. correntes, anti-congelantes, etc
      Se quiser mais dicas, me encontra no instagram (@eduardoely) que terei o prazer de ajudar.

      Grande abraço!

  9. Boa tarde!

    Muito legal a viagem de vcs! Estamos planejando ir agora em janeiro. Vcs acham que é necessário reservar os passeios ( Canal de Beagle por exemplo) nas agências com antecedência ou conseguimos de um dia para outro?

    Obrigada!!

    • Olá Julia!
      Acho que não precisa não. A gente não reservou nada.. o Canal de Beagle por exemplo reservamos só com 1 dia de antecedência.
      Se quiser mais dicas, me encontra no instagram (@eduardoely) que terei o prazer de ajudar.

      Grande abraço!

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.