Por que você ainda não foi pra Amazônia?

Por que você ainda não foi pra Amazônia?

Já pensou na resposta para essa pergunta? Eu sei, muitas coisas nos impedem de viajar, dinheiro, tempo, dinheiro, dinheiro, tempo, problemas pessoais/familiares, dinheiro… Mas se amo tanto viajar e sempre que posso conheço um novo lugar, porque ainda não fui para a Amazônia?

Era o que eu me perguntava e foi o que me fez programar essa viagem, não aguentava mais conhecer por aí gringos que conheciam mais do Brasil do que eu, ou que tinham nos planos muito próximos conhecer nossa imensa floresta.

Mas peraí, como faz pra chegar nessa floresta? Eu tinha pouca ideia, acho que vou por Manaus… Mas onde fico? E como chego na selva? Com a sorte de ter um amigo parceiro nessa exploração, fui descobrindo um pouco do que seriam as três semanas que vivemos no Norte do país.

Geralmente descobrimos muito sobre um destino pesquisando na internet, o melhor lugar pra ficar, como ir de uma cidade até a outra, os dias e horários das atrações, etc. Essa viagem não foi tão fácil assim, descobrimos algumas coisa antes, mas tem detalhes que só chegando lá é que a gente fica sabendo. Talvez faltasse então essa primeira dica: chegando lá você vai entender melhor e é mais simples que parece, calma!

Claro que nem todo mundo gosta de viajar assim, esperando chegar lá pra saber mais, decidir na hora, sem rumo e nem programação, eu mesma não sou a maior fã, então antes de chegar em Manaus, já tinha decidido uma parte, o que foi ótimo também.

Começando pelo $$$

Numa breve pesquisa já entendemos que essa viagem pra Amazônia não era das mais baratas. A passagem de São Paulo até Manaus é cara, compramos em uma super promoção, mas mesmo assim é cara comparando com outros destinos do Brasil ou até Uruguai, Argentina, Peru… Aproveitando essa passagem, compensava ficar 21 dias por lá, indo pra Manaus e voltando por Belém, porque a ideia era mochilar mesmo.

Teatro- Cafe da Manhã

Teatro Amazonas e o café da manhã do Local Hostel

Hospedagem barata

Já que a passagem não é barata, dá pra deixar o resto mais barato, começamos buscando um hostel aqui pelo HostelWorld BR e encontramos o Local Hostel, tem uma boa nota e bons reviews e é um hostel bem honesto, com café da manhã ótimo e localizacão excelente. Fica a alguns metros do lindo Teatro Amazonas, da pracinha que tem restaurantes, bares, sorveteria e numa distância tranquila para ir a pé até o centro. Os preços também são ótimos, começamos em um quarto e banheiro compartilhado, mas depois da selva decidimos mudar para um quarto só nosso com um banheiro inteiro pra gente, coisas que sentimos necessidade dependendo da viagem e com a idade. Tudo deu certo.

E como chega na floresta?

Pesquisamos muitas alternativas para chegar na floresta, encontramos hotéis de selva maravilhosos, ricos, caríssimos, dicas que pareciam difíceis pra alguém que não conhece nada, até que tivemos a ideia de escrever para o hostel perguntando se eles indicavam algum passeio, com um preço mais em conta. Acontece que eles nos indicaram passeios de uma agência de turismo chamada Iguana, que fica na mesma rua, então você também pode escrever para a agência antes ou pode chegar lá no dia e ir até a agênca conversar sobre o pacote que quer fechar (muitas pessoas fazem desse jeito e dá tudo certo), também pode ir em outras agências perto e orçar, ver o que cada uma oferece, etc.

A selva!

Com essa agência indicada pelo hostel fizemos um passeio de quatro dias na selva, o pacote custa 160 reais por dia para cada pessoa, inclui os transportes para ir e voltar, alimentação e dormir em um domitório com várias camas e banheiro compartilhado lá fora. Para quartos privados cobravam 200 por pessoa a diária. Os dormitórios e toda a estrutura são bem modestos, não tem luxo algum, mas quem quer luxo na floresta? A gente quer logo entrar num barco e conhecer ela inteira (ok, olha o tamanho da Amazônia, acho que conhecemos 0.01% dela? Ou menos!).

Entre as atividades: ver o sol nascer na floresta, fazer uma trilha com muita emoção, ver o guia pegar um jacaré com a mão na nossa frente e devolver pro rio, pescar piranha, conhecer um pouco das árvores e plantas, passear de canoa para ver vitória-régia, conhecer uma família ribeirinha e aprender como é feita a farinha de mandioca, a tapioca e o tucupi e dormir uma noite na selva na rede.

Selva-Rede-Amazonia

E os bichos?

Tem jacaré, tem botos nadando livremente, tem aranha, escorpião, piranha, macaco, uns bichos que a gente vê mas não sabe nem o nome direito, mas tudo funciona em harmonia, pelo menos onde a gente foi. Você está o tempo todo com um guia e faz caminhos que já estão acostumados a receber turistas, algumas vezes dá medo pra quem é mais medroso (eu sou), mas de alguma forma você sabe que o que está fazendo é bem tranquilo e tudo vai dar certo.

Conhecer um pouco da Amazônia de perto é um privilégio ENORME e falando de viajante para viajantes, se puder colocar no seu roteiro, não pense duas vezes.

O que mais?

Não esqueça de levar muito protetor solar, muito repelente, roupas confortáveis e boas para se movimentar, tênis, um bom mochilão nas costas porque puxar mala de rodinha em viagem roots ninguém merece, um bom livro porque NÃO FUNCIONA O CELULAR NA SELVA, câmera para registrar tudo e roupa de banho.

Essa viagem é do tipo astral, quem vai já chega numa vibe boa, você tem que conversar muito com as pessoas, já que não tem wifi nem sinal, acaba fazendo bons amigos, o astral bom ajuda também.

Mas como contei no começo, foram 21 dias de férias e aqui contei de cinco, é que muitas pessoas que vão para Manaus e para a selva aproveitam para viajar mais por lá, então compramos uma rede e depois pegamos um barco em Manaus que ia para Santarém, rumo a Alter do Chão e depois rumo a Belém. Conto sobre isso em uma próxima, mas fica a dica caso você queira conhecer a floresta e depois viajar por lá, compre uma rede e siga para o próximo destino :).

2016-07-14 09.45.30 HDR

?➡️ Se você gostou deste post, também pode gostar destes:

Tudo que você precisa saber para encontrar trabalho em troca de hospedagem em hostels

Viajar barato e ser feliz mochilando: entrevista com Jana Rosa

Como viajar me ajudou a superar a depressão e a me apaixonar novamente pela vida

? ➡️ Pesquise e reserve seu hostel em Manaus:

Mencionado neste post: Local Hostel Manaus

Ou veja todos os hostels de Manaus aqui.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/por-que-voce-ainda-nao-foi-pra-amazonia/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Carol Guido

Inspire-se

15 Responses to “Por que você ainda não foi pra Amazônia?”

  1. Thaís Fugueira de Oliveira Responder

    Sou manauara e posso indicar algumas coisas bem legais a fazer aqui pela região. A primeira delas é que o nosso lindo Teatro Amazonas está comemorando 120 anos e todos os dias, até o ano que vem, há programação gratuita ou a um preço popular. A cidade de Presidente Figueiredo, na região metropolitana, é o paraíso das cachoeiras, com diversas opções de trilhas e acomodações; já Novo Airão é o lugar onde podemos conhecer de pertinho os botos, além de podermos tomar banho em águas geladinhas dos igarapés. Caso alguém queira mais dicas ou sugestões, como sobre o que fazer aqui ou em qual época vir, disponibizo o meu e-mail para contato: thaisoliverf@hotmail.com

  2. Mt bom! N esqueçam a praia da Ponta Negra, da p fazer sup no rio, tem locais certos e mt bons, a feira daqui é bem legal de visitar e tem mts produtos regionais. A comida? Deliciosa! P começar os peixes de rio são mt saborosos, podem ser consumidos fritos, assados ou cozidos, alguns exemplos: tambaqui na brasa (o mais popular, n deixem de comer pelo amor), jaraqui, pacú, sardinha, calderada de tambaqui. Temos tapioca, tacacá, açaí (bem melhor q os vendidos no sul/sudeste, sorry mas é vdd haha), cupuaçu (suco, doces, bombons), pirarucu de casaca, pato ou frango no tucupi, xis caboquinho (pão francês+queijo+ tucumã+banana frita). É mt coisa boa!

  3. Sou crescida em altamira-pa, e não conheço Manaus, mais ainda há tempo. Sempre vou a Belem e nunca vi todos os pontos turisticos. E Santarem(alter do chao), é um paraiso, recomendarei sempre. Com relação as comidas, qualquer um que tenha peixe, haha (fanatica), santarem tem o “charutinho” e o bolinho de piracuí (amo com gosto), não sou fã de maniçoba, e nao critico quem gosta, apenas nao gostei, mais indico o tacacá. caldo de tucupi(delicioso), porem o que e servido em santarem é doce, e nao gostei, prefiro o azedinho . mais eu amo a regiao norte, e adoraria que mais pessoas conhecessem..

  4. Belisa Magalhaes Responder

    Muito bom o texto! Adorei! Sou manauara que mora em Brasília e To sempre pesquisando coisas novas a fazer por lá! Essa dica da agência foi muito boa, geralmente eles cobram preços absurdos pra te dar uma experiência bem “turistona”. To ansiosa pelos próximos posts Pq sempre quis conhecer alter do chão e Belém! *.* uma pergunta: como é a segurança pra dormir em rede na selva? Bjs!

  5. Sou Manauara e aqui é tudo isso é mais um pouquinho. E olha que a Jana não comentou sobre a nossa comida maravilhosa, com peixes sem igual. Amo tudo isso.

  6. A parte dos borrachudos e diversos outros mosquitos e insetos que ficam te picando, isso ninguem conta. kkkkkkk, mas vale apena.

  7. Moro em Manaus a 8 anos e posso dizer que tem muita coisa boa para se fazer, além dos passeios na selva, você tem a praia da ponta negra, as cachoeiras de Presidente Figueiredo, o Musa (museu da Amazônia) que faz parte da reserva Adolpho Ducke onde tem uma torre de 45 metros para a visitação, a vista lá de cima é de tirar o fôlego, e eles também tem visitas guiadas, tem também o bosque da ciência que fica no instituto nacional de Pesquisas da Amazônia, onde vc pode conhecer de perto o peixe boie o trabalho que é feito pelo instituto para a conservação da espécie, sem contar a gastronomia, que tem coisas que, para quem é da região sul como eu, possuem um sabor totalmente diferente das coisas que estamos acostumados, só cuidado para não voltar com uns quilos extras pois aqui se come bem.

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 6 =

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.