O que fazer no Valle Sagrado, entre Cusco e Machu Picchu

O que fazer no Valle Sagrado, entre Cusco e Machu Picchu

Situado entre Cusco e Machu Picchu, o Valle Sagrado muitas vezes fica de fora do roteiro dos visitantes, que deixam de conhecer um dos destinos mais surpreendentes do país.  Só a paisagem já valeria a visita ao local, com montanhas que chegam a 5.000 metros de altura, muitas consideradas sagradas pelos incas e outros povos pré-colombianos. Mas o que faz o Valle Sagrado um destino imperdível em uma viagem ao Peru são as ruínas impressionantes do que um dia foram laboratórios de sementes, observatórios astronômicos, fortificações militares e templos religiosos.

O que é o Valle Sagrado?

O que chamamos de Valle Sagrado é um conjunto de vilarejos e sítios arqueológicos ao longo do curso do rio Urubamba. A região tinha grande importância estratégica porque era o centro de produção de alimentos do império inca (essencial para alimentar a nobreza e o numeroso exército). Para isso, foi construída uma extensa infraestrutura com fins militares, religiosos e agrícolas – que hoje são aquelas ruínas que deixam a gente de queixo caído.

Quantos dias passar no Valle Sagrado?

Embora seja possível fazer o roteiro com pressa em um dia (muitas agências oferecem um tour que sai cedinho de Cusco, passa por alguns dos sítios arqueológicos e deixa os visitantes no início da noite em Aguas Calientes) eu recomendo dividir o roteiro em dois dias, com pernoite em Ollantaytambo.

O que fazer no Valle Sagrado?

Comprar artesanato “raiz” no mercado de Pisaq

📷@miguelveraleon

Pisaq fica a 35 quilômetros de Cusco e além de fazer parte do roteiro dos tours (privados ou compartilhados), dá para visitar por conta – de transporte público ou táxi. As principais atrações são o sítio arqueológico (que fica fora da cidade) e o mercado de artesanato.

A antiga cidade inca de Pisac tinha uma forte vocação militar, já que o lugar é a porta de entrada para o Valle Sagrado. Além dos edifícios do antigo exército, se pode ver as ruínas do que provavelmente foram os templos da lua e do sol e uma área onde os corpos dos nobres eram embalsamados e preparados para o enterro. Preste atenção nas montanhas ao redor das ruínas: os buracos na rocha são túmulos onde foram guardados os corpos desses dirigentes religiosos e administrativos.

No vilarejo “contemporâneo” de Pisaq ocorre uma grande feira de artesanato aos domingos (com uma versão reduzida nas terças e quintas). A maioria das barraquinhas vende produtos feitos em série, nada originais e que você encontra nos mercados de Cusco, Aguas Calientes e até na Bolívia, mas é possível encontrar artesãos “de verdade”, que produzem peças feitas em pequena escala com materiais locais. Paciência é a palavra chave aqui, tanto para encontrar artesanato “raiz” como para conseguir bons preços: A pechincha faz parte da cultura peruana e não faz mal pedir um descontinho, mas lembre-se que uma peça feita à mão vai sempre custar mais que uma industrial que veio da China.

Tirar um milhão de fotos nas Salineras de Maras

📷@saiapelomundo

Prepare a câmera ou o celular: esse vai ser o ponto mais fotogênico do tour. São centenas de tanques de extração sal, que operam há mais de dois mil anos – são anteriores aos incas inclusive. Até hoje as salineras estão em funcionamento, operadas pelas familias da cidade de Maras – na visita dá para ver eles trabalhando por lá. A paisagem formada pelo mosaico de “piscinas” na encosta da montanha, cobertas por sal e barro, é impressionante.

Escolher sua teoria da conspiração preferida em Moray

A marca registrada de Moray são as enormes terraças circulares que lembram uma arena romana. A curiosa estrutura deu origem a várias teorias sobre a sua origem: de que o lugar era realmente um anfiteatro, que foi construído por motivos místicos ou que era usada para testar novas variedades de sementes e técnicas de plantio (essa é a versão mais aceita pelos historiadores).

Os tours de um dia não costumam descer até a parte baixa das terraços de Moray, só vão ao mirante que fica no topo da estrutura. É interessante descer até o centro, pois cada degrau (que na foto parecem curtos, mas são mais altos que uma pessoa) tem um microclima com até um grau de diferença entre eles. Ao descer a gente percebe que realmente a temperatura vai mudando e entende melhor como provavelmente funcionava o laboratório de sementes

Dormir em Ollantaytambo, a última cidade inca

Ollantaytambo (Ollanta, para os íntimos) é a última parada e o ponto mais impressionante do Valle Sagrado. Nas excursões de um dia o tour chega aqui já anoitecendo, com todo mundo cansado e doido para chegar no hostel e descansar – um desperdício. Além do impressionante sítio arqueológico (o maior do vale), Ollanta é considerada a “última cidade habitada dos incas”, ou seja, onde estão os os hostels, restaurantes e lojinhas um dia foi uma cidade dessa civilização – inclusive as ruas atuais mantém o traçado determinado muito antes da chegada dos espanhóis. O vilarejo é um charme, com suas casinhas de adobe e ruas de paralelepípedo, e vai render muitas fotos.

Onde se hospedar no Valle Sagrado

Eu super recomendo Ollantaytambo para pernoitar, a cidade tem uma boa infraestrutura de hostels e restaurantes, além de ser linda (eu não queria sair de lá). A cadeia de hostels Mamá Simona, presente também em Cusco, oferece café da manhã grátis, tomadas e luzes individuais nos quartos compartilhados e avaliação 9.6 dos hóspedes.

📚 Sobre a Autora 📚

Mila de Oliveira é jornalista, adora viajar lento e escrever. Acredita que viajar é uma atitude libertadora para as mulheres e por isso compartilha seus rolês como solo traveller no blog Saia Pelo Mundo e no Instagram @saiapelomundo.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/o-que-fazer-no-valle-sagrado-entre-cusco-e-machu-picchu/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Laura Carniel

I'm Laura, Brazilian, and I'm obsessed with dogs, films, sharing good stories with friends and discovering quirky places. Social Media & Content Executive and #HostelworldInsider at Hostelworld. 🌏 Favourite place on earth: London, UK. 🏠 Favourite hostel: Oki Doki Hostel - Warsaw, Poland. Follow my travel adventures and loads of dogs on Instagram @astaclivo 🐶✈️

Inspire-se

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.