Como foi viajar por 17 dias na terra dos faraós

Como foi viajar por 17 dias na terra dos faraós

A gente sabe que o Egito não é exatamente o primeiro lugar que vem na cabeça quando pensamos no nosso próximo destino para visitar. Além de ser longe do Brasil, a gente lê muita coisa na mídia sobre o país ser perigoso, especialmente para mulheres, e, muitas vezes, não sabemos o que o Egito tem para oferecer fora as pirâmides. Bom, eu também admito que o Egito nunca esteve na minha lista de países para visitar, mas acabei sendo convidada para um casamento em Cairo e foi aí que a aventura começou. Com um grupo de amigos – uma francesa, uma italiana e um irlandês – fomos explorar tudo o que o país tem a oferecer e a gente pode afirmar: o Egito não só é um país incrível que deixará vocês de boca aberta a cada esquina, como também ensinará muitas coisas, deixando uma marca inesquecível nos seus corações. Todo mundo, ao menos uma vez na vida, deveria visitar o berço da civilização. Com seus novos sabores, uma cultura totalmente diferente da nossa, um povo incrivelmente hospitaleiro e  MUITA história, o Egito nos ensinou todos os dias a aceitar o que viesse e saímos de lá com uma opinião totalmente diferente do país.

O Egito é intenso, tudo acontece ao mesmo tempo e você tem que se adaptar rapidamente. Se você estiver aberto a aprender com suas novas vivências e uma nova forma de experimentar o mundo, você vai sair de lá com muito mais conhecimento e respeito pelo jeito que outras pessoas vivem a sua vida. É uma aventura incrível e eu não podia recomendar mais que todo mundo visite algum dia.

Mas é a segurança? Viajar com segurança, tomando precauções, para o Egito não é impossível e nem complicado, basta somente prestar atenção em algumas coisas e seguir alguns códigos culturais. Estivemos no Egito por 17 dias e queremos contar para vocês o que fazer, as coisas que fizeram a gente se apaixonar pelo país e dar dicas de como viajar com segurança. A gente não podia ter tido uma experiência de viagem mais autêntica com a ajuda de amigos que fizemos por lá, hostels incríveis e moradores locais que estavam sempre dispostos a nos mostrar mais sobre a sua cultura.

Antes de contar as coisas que vivemos  e o que aprendemos com isso, deixo a vocês uma rápida lista de conselhos para viajar com segurança ao Egito e para evitar eventuais armadilhas.

Viaggiare sicuri in Egitto - a l'orizonte

O proprietário do hostel nos levou para todos os lugares com o seu barco 📷: andrewlinn

Como viajar com segurança para o Egito:

  • Passeiem com um guia local: isso ajudará a não cair nas armadilhas dos vendedores. Perguntem na recepção do hostel de vocês, pois no Egito todos se conhecem e eles encontrarão um guia adequado para vocês;
  • Vistam-se de forma modesta, cobrindo os ombros e os joelhos, e procurem não usar coisas muito apertadas (especialmente nós mulheres). Eles têm uma cultura muito diferente da nossa. Isso vai evitar olhares durante o seu passeio e você vai se sentir mais confortável circulando pela cidade. Eu sei que, partindo da nossa perspectiva cultural, mudar o jeito que nos vestimos para evitar olhares é completamente inedequado, mas, uma frase que uma amiga egícpcia me disse quando estávamos discutindo as nossas diferentes culturais me marcou: “Você não está aqui para mudar as coisas, só para visitar, deixe a luta das mulheres do Egito para as mulheres do Egito.”
  • Levem um lenço qualquer para cobrir a cabeça quando entrarem nas mesquitas;
  • Usem única e exclusivamente Uber, pois é extremamente barato (entre 10 e 20 reais). Evitem táxis e transportes públicos;
  • Comprem um chip de celular (cartão SIM) egípcio quando chegarem no aeroporto, pois é essencial ter rede em caso de emergência e para reservar o Uber. Caso você não consiga comprar no aeroporto, não tem problema – tem muitas lojas pela cidade que você pode comprar. Não se esqueça de levar seu passaporte, eles não vão te deixar comprar se você estiver sem!
  • Quando estiverem nos bairros mais turísticos, haverá sempre alguém tentando vender alguma coisa. Ignorem completamente. Sei que pode parecer mal-educado, mas finjam que eles não existem, porque se vocês responderem – mesmo que seja algo como “não, obrigado” -, estarão dando a possibilidade para que eles continuem a interagir com vocês, e eles não deixarão vocês em paz;
  • Não bebam água da torneira. Comprem garrafinhas de água e certifiquem-se que elas estejam lacradas;
  • As pessoas são extremamente gentis, mas muitas usarão disso para tirar algum dinheiro de vocês. Se lhes oferecerem ajuda, sejam céticos e recusem gentilmente. Dentro dos templos, vocês encontrarão guardas que perguntarão se vocês querem que eles tirem alguma foto: ignorem, eles vão te pedir por uma gorjeta depois. A mesma coisa acontece quando você for nas tumbas onde não é permitido fotografar. Um guarda te dizer que você pode tirar a foto, ou até mesmo tirar a foto para você, vai no final te cobrar dinheiro por isso.
  • Você não está no seu país, siga as regras impostas por autoridades oficiais e você não terá problemas.

Aviso: vocês sentirão que estão sendo observados continuamente. Noventa por cento dos olhares são de curiosidade, pois todos querem saber de onde vocês são, além de quererem dar as boas-vindas.

O parque de Al Azhar

Viaggiare sicuri in Egitto - Al Azhar

Vocês não vão acreditar, mas este maravilhoso parque era um aterro sanitário até 2005. Graças à fundação Aga Khan Trust for Culture, uma montanha de lixo foi transformada num dos parques mais lindos que você pode imaginar. Dependendo do lugar em que estiverem no parque, vocês poderão ter visões panorâmicas de tirar o fôlego de toda a parte antiga da cidade.

Viaggiare sicuri in Egitto - Parco di Al Azhar

Se passarem pelo Lake Side Restaurant, vocês poderão ver, à esquerda, a maravilhosa e imponente mesquita de Mohammed Ali e muitos outros minaretes (aquelas torres nas mesquitas) que surgem entre as casas. Você pode se sentar à sombra e observar as pessoas do lugar viverem suas vidas, crianças que brincam e correm atrás umas das outras, casais que passeiam de mãos dadas.

Cidadela do Cairo (Al-Qalaa)

Viaggiare sicuri in Egitto - Moschea si Mohammed Ali

Mesquita de Mohammed Ali

Uma das coisas mais impressionantes da cidade do Cairo: a cidade murada. Este lugar foi fundado em 1176 pelo líder egípcio Saladino e foi residência dos governantes egípcios por 700 anos. Aqui, vocês encontrarão a maravilhosa e imponente mesquita de Mohammed Ali, feita de alabastro, retirado das pirâmides de Gizé. O interior da mesquita é igualmente espetacular. Obedecendo à religião muçulmana, a mesquita não possui representações humanas, mas é cheia de detalhes decorativos geométricos, versetos do Alcorão, candelabros enormes, vitrais e um terraço com um jardim com vista para toda cidade. Certamente é um dos pontos panorâmicos mais lindos do Cairo.

Viaggiare sicuri in Egitto - Moschea di Al Rifa'i

Mesquita de Al Rifa’i (ou Mesquita Real)

Na parte interior dos muros, vocês encontrarão as antigas prisões, que são quartos pequenos e apertados que acolheram os criminosos mais temíveis de todo o Egito. Atrás da cidade murada, vocês encontrarão outras duas mesquitas lindíssimas, uma de frente para outra: a Mesquita e Madrasa (escola) do Sultão Hasan e a Mesquita Al Rifa’i (também chamada de Mesquita Real). A primeira está entre as mesquitas mais famosas do Cairo e é uma das maiores do mundo, com cerca de 150 metros de comprimento e 36 metros de altura.

O Cairo Copta

Viaggiare sicuri in Egitto - Vecchia Cairo

Esta área conhecida como “Velho Cairo” é cheia de charme e deixará vocês sem palavras. O Cairo Copta foi construído em torno da Fortaleza de Babilônia (só para vocês entenderem como é antiga essa área) e é a única região que tem inúmeras igrejas cristãs e outros locais que remontam ao fim da época dos faraós. Visitem o Museu Copta que, além de conter milhares de relíquias, possui um edifício muito bonito. Uma parada obrigatória é a Igreja Suspensa, que tem esse nome porque foi construída sobre as ruínas de duas torres da Fortaleza de Babilônia. Se vocês entrarem nessa linda igreja, poderão notar – em alguns pontos – que o edifício se apoia somente sobre alguns troncos de árvores. Uma loucura! Lá dentro, eles oferecem guias gratuitos em inglês para explicar mais sobre a igreja e a história da cidade. Vale muito a pena fazer! 🙂

Caminhando pelas estradas do Velho Cairo, nós acabamos encontrando uma espécie de pensionato cheio de crianças que jogavam futebol e nos acenavam. Uma das coisas mais gostosas para se comer no almoço é o Koshary, um prato rico em carboidratos: arroz, macarrão, lentilhas, grão-de-bico, alho e um molho de tomate temperado. Muito bom! Por isso, nós perguntamos às crianças, usando o “Speak The World” (tradutor simultâneo do aplicativo do Hostelworld), onde poderíamos comprar o tal Koshary. Elas nos acompanharam até o mercado, onde algumas mulheres preparavam essa maravilha, e com 25 EGP (R$5,80) nós comemos em quatro pessoas! O Koshary mais gostoso que comemos durante a viagem e isso que a gente provou muitos mesmo!

 

O Mercado Khan-el-Khalili

Sejam pacientes, abram a mente e se preparem para o caos. Este mercado está localizado no coração do Velho Cairo e é realmente muito caótico, mas é também muito encantador observar o pessoal daquele lugar fazendo negócios! Aqui, vocês poderão encontrar de tudo: não apenas coisas maravilhosas para comprar, mas também alguns dos cafés mais antigos do mundo. Apreciem as cores, as luzes e os cheiros das especiarias, porque quando estiverem cansados, vocês poderão parar e fumar um narguilé. Não se esqueça: no Egito tudo se negocia. Se você gostou de alguma coisa, não aceite o preço dado – eles sempre aumentam quando percebem que você é turista. Barganhe muito até você achar que o preço é justo!

Claro, sendo do Brasil, a gente não precisa nem dizer: cuidado com os seus pertences – andem com a mochila para a frente e sempre preste atenção em quem está perto de você.

As Pirâmides de Gizé

Viaggiare sicuri in Egitto - Le Piramidi Di Giza

É claro, não podíamos perder a última sobrevivente entre as 7 maravilhas do mundo antigo: as Pirâmides de Gizé! Graças ao magnífico Hostgram Hostel, fizemos um tour entre as pirâmides que foi incrível! As três pirâmides, de Khu-Fu (ou Quéops), Quéfren e Miquelinos, são as tumbas dos homônimos faraós. Perceber que se está diante de pirâmides construídas há 5 mil anos causa algo na gente!

O passeio custou em torno de 200 reais, com a entrada incluída para algumas tumbas, o nosso guia e um câmelo para cada. Você também tem a opção de ir de cavalo ou a pé. Vá preparado para passar muito calor, se você visitar no verão e muito protetor solar.

No Egito Antigo, se acreditava muito mais na vida após a morte do que na própria vida, por isso que quando um faraó nascia, já se começava a construir a sua tumba. Graças a essas tumbas, conhecimentos astronômicos, matemáticos e geográficos daquele período puderam ser transmitidos. Repletas de tesouros, essas tumbas eram saqueadas com frequência. Por isso, os arquitetos daquele período tiveram que pensar em formas de tornar as tumbas menos acessíveis. As pirâmides são apenas a parte superior, pois as tumbas propriamente ditas estão embaixo da terra! Por que são tão grandes? Era necessário aquilo tudo? Sim, era necessário, visto que os faraós eram considerados deuses que desciam à terra para depois, após a morte, voltarem para o céu. Além disso, as pirâmides representavam a imortalidade, o caminho para que eles voltassem a estar entre as estrelas.

Muitas pessoas pensam que as pirâmides foram construídas por escravos, mas é um falso mito. Em 2010, foram encontrados esqueletos intactos e bem conservados daqueles que construíram as pirâmides, junto a jarros que continham cerveja e pão para a vida após a morte. Existem provas que atestam que essas pessoas eram pagas e que optavam, de forma espontânea, por trabalhar para os faraós em sinal de lealdade.

Como se esquecer da majestosa Esfinge? Um único bloco feito de pedra de arenito, esculpido ao limite, para nos presentear com este espetáculo. Quando a Esfinge foi descoberta, ela estava coberta de areia até o pescoço (literalmente). Acredita-se que somente por isso ela tenha sobrevivido por tanto tempo. A Esfinge olha para o leste, onde surge o sol, obviamente!

Horário de abertura: 08:00hs – 17:00hs

Passeio de Feluca

Viaggiare sicuri in Egitto - Feluca

Uma das coisas mais legais de se fazer no Egito é passear de barco pelo Rio Nilo. A Feluca é um barco de madeira, tipicamente egípcio, usado desde o início dos tempos. Existem vários pontos em que se pode pegar esse barco (praticamente em todos os lugares ao longo do Nilo); nós o pegamos em Maadi, um bairro mais tranquilo, para poder aproveitar o maravilhoso pôr-do-sol; e da Praça Tahrir, mais caótica, onde vocês poderão ver o skyline do Cairo. Nós pagamos 150 LE (cerca de R$34 reais) em quatro pessoas, portanto fiquem ligados ao negociar o preço antes de pegar o barco. O nosso guia das pirâmides nos ajudou a negociar o preço, mas sabendo quando custa você já tem uma boa margem de negociação!

Ain Sokhna

Viaggiare sicuri in Egitto - Ain Sokhna

Durante nossa viagem, nós quisemos passar um dia inteiro na praia. Por isso, decidimos ir a Ain Sokhna, situada no Mar Vermelho a algumas horas de ônibus do Cairo. Não é preciso dizer que a água era incrivelmente limpa e… muito quente!! Nunca teríamos imaginado um mar tão quente! Se tiverem vontade de pegar uma praia e de se afastar do caos do Cairo, esta é a melhor opção, visto que vocês podem fazer tudo isso em apenas um dia, mas é claro: fiquem pelo menos até o pôr-do-sol. Vale a pena mencionar aqui que lá super tranquilo de usar trajes de banho. A praia é relativamente internacional e você vai se sentir confortável com o que escolher vestir.

Museu Egípcio

O maior museu do mundo no que diz respeito ao Egito Antigo. Aqui, vocês encontrarão a famosíssima máscara de Tutancâmon e todos os objetos encontrados na tumba dele. Mas não só isso: no interior do museu – que, aliás, é enorme -, vocês encontrarão inúmeros artefatos históricos e… múmias! As múmias dos reis que viveram há milhares de anos possuem ainda hoje cílios, dentes e cabelos! Até mesmo as unhas! Loucura! Procurem dedicar ao menos metade de um dia para isso, pois o museu é enorme e não é bem organizado, logo vocês se perderão várias vezes lá dentro!

Hostgram

Antes de pularmos para o nosso próximo destino, vale muito mencionar o hostel que a gente ficou! A gente teve uma experiência incrível e o Ahmed, que trabalha na recepçao do Hostgram, foi super atencioso e deu dicas muito boas da cidade. Todos os quartos tinham ar condicionado (o que é super necessário no verão) e o hostel fica super bem localizado, perto da praça Tahrir.

Além disso, todo o dia de manhã a gente teve um café da manhã maravilhoso, com falafel feito em casa pela Sohir, que trabalha lá no hostel <3

Assuã

Após ter explorado o Cairo de cabo a rabo, nós fomos para ao sul de avião e chegamos na linda cidade de Assuã. Aqui, sem dúvida, deixamos uma parte do nosso coração. Em Assuã, do outro lado do Nilo, vocês encontrarão as aldeias núbias, a parte mais bonita e fascinante dessa cidade.

Assim que chegamos ao nosso hostel, Bet El Kerem Guesthouseo dono nos convidou para tomar um drink de boas vindas no terraço. A gente contou de onde vinha e ele nos contou a sua história e como era viver na aldeia onde nasceu. A partir desse momento, a gente começou a perceber como a nossa visita ia ser incrível e como a gente ia conhecer DE VERDADE toda cultura núbia.

No primeiro dia Abdel nos levou para andar no seu barco no Rio Nilo e nos levou para uma praia cheia de locais para tomar banho de rio. Lá conhecemos muitas pessoas que moram por lá e fizeram questão de nos dar boas-vindas ao seu país. Também tomamos café feito com a água do rio e, mesmo que a gente tenha ficado com um pouco de medo, saímos ilesos dessa experiência gastronômica.

Viaggiare sicuri in Egitto - Bet El Kerem Hostel

Rooftop do Bet El Kerem Hostel

Graças a ele conhecemos os moradores locais, nadamos na parte limpa do Nilo, jantamos na sua feluca (tradicional barco do Egito) e tomamos café com os habitantes da aldeia. Jogamos dominó de noite com os moradores do lugar enquanto bebíamos chá de hortelã e torciamos para o Abdel ganhar o campeonato. Fomos recebidos muito bem por todos da aldeia, conhecemos as crianças, que nos mostraram todos os tipos de árvores possíveis, nos presenteando com limões e mangas colhidos direto do pé. Ir embora e dizer adeus foi realmente muito difícil, mas tínhamos um próximo destino para explorar: Luxor!

Nunca será o bastante agradecer a Abdel por ter acompanhado a gente em todos os lugares, por ter nos mostrado as belezas e as cores da aldeia na qual está localizado o hostel dele e nos receber de braços abertos na sua vida. Essa é a magia de ficar em hostels!

A gente também precisa comentar da COMIDA DESSE HOSTEL, meu deus. Todo o dia de manhã, o Abdel fazia uma vianda de café da manhã para a gente levar e comer durante o dia. Você também pode beber café, chá, suco e água a qualquer horário do dia no terraço.

Na nossa última noite o Abdel quis nos mostrar como é a culinária do seu país e cozinhou pra gente um verdadeiro banquete com a comida mais saborosa que já comi na vida! Eu disse pra ele que sou vegetariana e ele cozinhou cinco opções, só para ter certeza que eu ia ficar feliz com o jantar.

Abu Simbel

Viaggiare sicuri in Egitto - Abu Simbel

Abu Simbel é um dos templos mais famosos de todo o Egito e aquele que mais nos surpreendeu. Aqui, vocês encontrarão dois templos: o de Ramsés II e o da sua mulher preferida (ele tinha várias esposas), Nefertari. Estes templos foram realizados esculpindo-se apenas um único bloco de rocha, o que é realmente surpreendente. A coisa mais interessante sobre esse templo (Abu Simbel) é o sugestivo fenômeno que acontece todos os anos no dia 22 de fevereiro. Abu Simbel, como muitos outros templos do Antigo Egito, fora construído com ciência e magia; de fato, dia 21 de fevereiro e dia 21 de outubro, todos os anos, os raios do sol penetram no templo através de uma pequena porta inserida entre as imponentes estátuas, iluminando o santuário do faraó. Tal fenômeno se chama “Milagre do Sol” (ou “Fenômeno do Sol”).

O povo egípcio sempre seguiu as constelações e os planetas para construir suas incríveis estruturas. Aliás, temos inúmeros testemunhos que dão conta da habilidade astrológica deles. Outra coisa que nos deixou de boca aberta é que, em 1964, estes templos foram transportados às margens do lago Nasser, removidos pedra por pedra, para evitar que fossem destruídos pelas águas do Nilo, depois da construção da represa de Assuã.

A gente foi lá com um tour organizado pelo hostel que ficamos em Assuã que nos buscou na porta do hostel, esperou pela gente no templo e nos levou de volta. Claro que antes o motorista nos levou para conhecer o lugar com o melhor sanduíche de falafel da cidade.

Luxor

A antiga Tebas, que já fora a capital do Egito, é repleta de templos e maravilhas a serem exploradas. Tenho que ser honesta: a cidade em si não é grande coisa, mas vale a pena ficar por lá para conhecer os templos e monumentos incríveis.

Luxor, como outras inúmeras cidades egípcias, se expande ao longo das margens do Nilo e, durante as dinastias faraônicas, acreditava-se que a parte leste fosse consagrada à vida (no leste, o sol nasce), enquanto a oeste, onde o sol se põe, seria consagrada à morte. De fato, à margem oeste, vocês encontrarão todas as tumbas, inclusive o Vale dos Reis.

Não deixem de visitar na zona leste: o Templo de Luxor e o Templo de Karnak, colunas majestosas que filtram os raios de sol com maravilhosos jogos de luz. A coisa mais absurda é que dentro do Templo de Luxor vocês encontrarão uma mesquita construída em cima das ruínas. Como isso pode ter acontecido? Então, a mesquita foi inocentemente construída sobre as ruínas antes mesmo que o templo fosse descoberto por eles, já que estava completamente coberto de areia!

Viaggiare sicuri in Egitto - tempio di Luxor

Não deixem de visitar na zona oeste: o templo da rainha Hatshepsut, símbolo do #GirlPower de 3500 anos atrás. Hatshepsut foi uma das rainhas mais poderosas da história, porque soube se impor como rainha num mundo totalmente machista. Foi a mulher que reinou por mais tempo (22 anos) e não foi fácil para ela chegar ao auge do poder. Hatshepsut era a única filha do rei Tutmés I e, depois da morte dele, ela se casou com o meio-irmão, Tutmés II, se tornando então rainha. Com a morte do marido, o sucessor direto ao trono teria sido o filho, que tinha, no entanto, apenas 3 anos. Hatshepsut decidiu então tomar o controle, iniciando uma campanha propagandista em favor de si mesma e das suas origens divinas, aliando-se e pagando os sacerdotes de Tebas (Luxor). Hatshepsut foi a única mulher faraó que usou roupas masculinas e, inclusive, a típica barba postiça. De fato, todas as suas estátuas têm características bastante masculinas!

O que comer no Egito

Os pratos que você PRECISA provar:

  • Ful – uma espécie de sopa de feijões com verduras e carne;
  • Kousa Mahshi – rolinho de folhas de parreira com recheio de arroz e carne/verduras. Há uma versão alternativa à parreira, feita com abobrinhas ou berinjelas recheadas;
  • Ta’meya (Falafel) – eles são feitos de todos os modos possíveis, mas o meu preferido é um com nozes;
  • Baba Ghanoush – uma espécie de homus à base de berinjelas, suco de limão, cominho, sal e pimenta;
  • Koshari – bomba de carboidratos, com arroz, macarrão, grão-de-bico, lentilhas e cebola crocante.

O Egito é um país incrivelmente maravilhoso, as pessoas são extremamente generosas e eles acolherão vocês como se fossem parte da família. Esta viagem abriu nossos olhos sobre inúmeras coisas e foi um verdadeiro choque de realidade que fez com que a gente aprendesse muito.

A nossa viagem ao Egito nunca teria sido a mesma coisa sem Toka, Ali, Tarek e Biro, que nos mostraram o que os jovens fazem em Cairo para se divertir. A gente não podia pedir por amigos/guias melhores – atenciosos, engraçados e super dispostos a compartilhar a sua visão do país com a gente. Saímos de lá com amigos para a vida. Se vocês precisarem de informações sobre Cairo, você pode entrar em contato com a Toka! 

📚 Sobre as autoras 📚

Giulia Salerno

Viajante insaciável obcecada com pôr do sol, fotografia e mídias sociais. Acredita que a #HostelLife te ensina muita coisa e trabalha como Social Media & Conent Executive no Hostelworld. Siga as suas aventuras no Instagram. 

Laura Carniel

Laura Carniel morou em Lisboa por quase dois anos e tomou a difícil decisão de abandonar o sol e pastéis de nata para se mudar para Londres, onde trabalha como Social Media & Content Executive no Hostelworld. Ela é obcecada por viagens, cachorros e cinema. Você pode conferir todas suas aventuras no Instagram. 

 

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/o-que-fazer-no-egito/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Giulia Salerno (Hostelworld)

I'm Giulia, Italian, and I'm an insatiable traveller obsessed with sunsets, photography, and marketing. Social Media & Content Executive and #HostelworldInsider at Hostelworld. 🌍 Favourite place on earth: Nubian Village - Aswan, Egypt 🏠 Favourite hostel: Bet El Kerem Hostel - Aswan, Egypt Follow my adventures on Instagram @giuliciu ✨

Inspire-se

One Response to “Como foi viajar por 17 dias na terra dos faraós”

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.