O dia que eu fiz uma tatuagem com uma mestra tatuadora tribal

O dia que eu fiz uma tatuagem com uma mestra tatuadora tribal

Na época em que a sua tribo era a sua família, as primeiras tatuagens eram uma importante fonte de informação: Elas mostravam a qual tribo você pertencia e qual era o seu lugar nessa sociedade. Ter a tatuagem certa era, às vezes, uma questão de vida ou morte. Mesmo.

Alguns milênios depois e uma tatuagem pode significar algo como “eu fiquei bêbado em Málaga e acordei com esses símbolos chineses aleatórios no meu braço”. Mas ainda é possível fazer uma tatuagem ligada à sua viagem que tenha um significado mais profundo, que conte uma história sobre os lugares que você passou. Foi assim que eu fiz a minha tatuagem com a lendária Whang Od, uma tatuadora Kalinga que vive dentro de uma floresta isolada nas Filipinas.

Rumores sobre a mestra em tatuagem tribal das Filipinas

how to get a tribal tattoo from the legendary Whang Od (c) Will Hatton / Broke Backpacker

Eu escutei rumores sobre a legendária mestra da tatuagem vivendo dentro das florestas Filipinas a quase uma década, mas achava que era uma lenda urbana. Porém, esta ideia ficou na minha cabeça e eu apenas não deixar ela para lá. Eu só ficava pensando, imagine se fosse verdade…?

Quase uma década depois e cá estou eu a caminho das Filipinas novamente. Eu já sabia que ia tentar encontrar a lendária tatuadora Kalinga, Whand Og. Sempre me interessei por culturas e costumes tribais e ter a chance de conhecer uma lenda viva como ela era uma oportunidade muito boa, que não podia ser perdida. Eu pesquisei e entrei em contato com as poucas pessoas que eu conhecia que moravam no país, sem deixar nenhuma possibilidade escapar. Eles perguntaram a amigos, que perguntaram a amigos de amigos e depois de um tempo, depois que a esperança começava a se dissipar, eu consegui uma pista!

Em busca de Whang Od, a última tatuadora da tribo Butbut

how to get a tribal tattoo from the legendary Whang Od (c) Will Hatton / Broke Backpacker

Whang Od vem da tribo Butbut, uma lendária tribo de guerreiros que eram conhecidos pelas suas guerras sangrentas e sua coragem feroz contra qualquer invasor que tentasse dominar a sua terra. Os japoneses tentaram armar um acampamento perto deles durante a Segunda Guerra Mundial e foram expulsos rapidamente, lambendo as suas feridas; Basicamente, os Butbut não estão para brincadeira.

A maior dificuldade em encontrar Whang Od é saber como achá-la, pois, até pouco tempo atrás, existiam poucas informações disponíveis online sobre ela e encontrá-la poderia ser tão complicado quanto perambular por uma floresta desconhecida, apenas para ver aonde vai dar.

Meu amigo Pot Pot, um renomado jornalista de Manila se ofereceu para ser o meu guia e me levar para dentro da floresta, já que ele falava um pouco de Kalinga e poderia pelo menos me apresentar a Whang Od. Por um dia e uma noite nós rodamos em ônibus caindo aos pedaços e jepneys (um tipo de jipe de guerra bem popular utilizado como meio de transporte) lotados, sentado no topo do telhado sob o sol, tendo apenas a minha mochila para me proteger do metal fumegante. Finalmente, após intermináveis montanhas suntuosas, passando pelos campos verde esmeralda, rios revoltosos e moradores locais bem amigáveis, chegamos em segurança … no meio do nada.

Coloquei a mochila nas costas, e segui Pot Pot para dentro da floresta, em direção ao desconhecido.

Uma aldeia no topo de uma montanha, dentro de uma floresta Filipina

how to get a tribal tattoo from the legendary Whang Od (c) Will Hatton / Broke Backpacker

Assim que começou a anoitecer nós chegamos a vila Buscalan. Eu passei por um grupo de adolescentes locais, um usando uma camisa surrada do Guns ‘n’ Roses, e me encaminhei para a casa do shaman, um lugar decorado com crânios de animais.

Pot Pot começou a fazer as apresentações e eu foquei em sorrir como um bobo e apertar a mão de qualquer um que se aproximasse.  Por fim, os temíveis guerreiros eram também incrivelmente hospitaleiros e interessados em aprender o que o estrangeiro de pele clara tinha descoberto até então em sua louca jornada em nome da tinta.

Ele não tem tatuagens na Inglaterra?”, um local perguntou

Sim temos, mas não temos mestres em tatuagens” eu respondi.

Me encaminharam para a casa de madeira de um dos moradores e fui alimentado com arroz e frango, javali e feijão. Cansado dos longos dias de viagem, eu dormi no chão, com a lua brilhando do lado de fora da janela aberta.

Conhecendo a lendária tatuadora tribal Whang Od

how to get a tribal tattoo from the legendary Whang Od (c) Will Hatton / Broke Backpacker

Na outra manhã eu acordei com os sons de um galo e olhei para fora da janela. Não era nem 6:30 da manhã, mas a aldeia inteira já está alerta, viva, com as pessoas indo fazer suas tarefas do dia a dia. Eu não tinha sinal no celular e o “mundo real” parecia bem distante; o que era completamente libertador.

Depois do café da manhã, eu fui levado para conhecer a lendária Whang Od. Escondida dentro de um moletom com capuz preto, seus braços cobertos de tatuagens pretas e azuis em cada pedaço de sua pele, ela olhou para mim com olhos negros que mostravam um espírito leve, mesmo com a idade. Whang Od tem 90 anos e é a última Mambabatok, ou mestre de tatuagem tribal. Ela é engraçada, rápida e surpreendentemente ágil e, se ela não gostar de você, ela vai te fazer sangrar.

Na tradição Kalinga, os Mambabatoks escolhem o design da tatuagem. Para manter essa tradição eu apenas mencionei que preferia que essa tatuagem fosse no meu braço, ao invés da minha testa, por exemplo, e ela se sentou para trabalhar.

Ela disse algo em Kalinga e Pot Pot riu, gesticulando, indicando que eu me sentasse. Eu me agachei em um pequenino banco de madeira e ela começou, selecionou primeiro um afiado espinho de um limoeiro, encaixou ele em uma vara, e o mergulhou em uma mistura de água, carvão e mágica, e o colocou em cima do meu braço.

Ela olhou para mim por meio segundo, sorriu, e começou a dar bater com um pequeno martelo de bambu. Eu olhei, intrigado, enquanto o meu braço era perfurado inúmeras vezes, criando minúsculos buracos preenchidos com tinta. Devagar, o desenho se tornou legível. Era uma samambaia; um símbolo de envelhecer, e, ahn, fertilidade.

Métodos tradicionais de tatuagem são incrivelmente indolores

how to get a tribal tattoo from the legendary Whang Od (c) Will Hatton / Broke Backpacker

Não senti dor alguma. O processo foi bem menos invasivo que o das máquinas de tatuar modernas, e o barulho dos instrumentos de madeiras é uma trilha sonora bem mais tranquilizante que o bzzzzz infernal dessas máquinas de tatuar combinadas com heavy metal. Depois de uma hora, Whang Od tinha acabado. Ela limpou o sangue e o excesso de tinta e pronto. Sem plástico protegendo ou sabonete bactericida, ou uma conta de mil dólares.

Eu me virei, sorri para ela e agradeci imensamente. Ela sorriu de volta e começou a se despedir, ela era uma mulher muito ocupada e tinha coisas para fazer; afinal, ela tinha quase 100 anos.

Eu fiz uma pequena doação de sal, ovos e dei oito dólares e então me juntei aos homens da aldeia para fumar e praticar o meu Kalinga. Eu fiquei por mais tempo, tentando fazer um cachimbo de bambu (todo homem Kalinga faz o seu e eles são lindos) e falhando miseravelmente.

Minha tatuagem cicatrizou rápido, depois de apenas alguns dias. Eu percebi depois que a folha da samambaia meio que parece uma folha de maconha…. Eu voltei para a civilização, mandei uma foto para a minha mãe e continuei as minhas aventuras Filipinas.

As Filipinas são um lugar incrível e, se você está buscando uma aventura real e uma experiência cultural genuína, então a viagem para visitar Whang Od precisa estar no topo da sua lista.

Um agradecimento especial para Pot Pot, meu amigo e guia; Charlie, meu anfitrião em Buscalan; as muitas pessoas especiais que eu conheci lá; e claro, para Whang Od, um enorme obrigado pelo sua hospitalidade, carinho e bom humor.

Sobre o autor

Will Hatton está em uma viagem de 3 anos viajando do Reino Unido para Papua Nova Guiné. Acompanhe as suas aventuras no blog The Broke Backpacker.

Tem uma história incrível sobre tatuagem e viagens e quer dividir com a gente? Conta nos comentários aqui embaixo. ???

Se você gostou deste post, também pode gostar destes:

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/o-dia-que-eu-fiz-uma-tatuagem-com-uma-mestra-tatuadora-tribal/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Carol Guido

Inspire-se

One Response to “O dia que eu fiz uma tatuagem com uma mestra tatuadora tribal”

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.