Viaje na história e na cultura de Buenos Aires como um mochileiro

Viaje na história e na cultura de Buenos Aires como um mochileiro

Coloque um tango de Gardel em seu Spotify e prepare seu mochilão! Você está prestes a começar uma viagem pela história e cultura de Buenos Aires, a capital da Argentina. Para entrar no país e desfrutar os 90 dias que a imigração permite não é necessário ter um passaporte, apenas um documento de identidade atualizado.

Como chegar em Buenos Aires

Buenos Aires é um dos destinos mais visitados por brasileiros. Além da proximidade cultural, as ótimas promoções de vôos chamam atenção. A cidade conta com dois aeroportos e um terminal rodoviário principal, no bairro Retiro. Ir de carona é outra opção, uma aventura!

1- O Aeroporto de Ezeiza

Ezeiza está localizado a 32 quilômetros do centro da cidade. A partir de lá é possível:

– Pegar o ônibus da linha 8: Melhor preço mas a viagem é longa.

– Ir de ônibus executivo da empresa Tienda Leon: Preço bom, conforto, mas a viagem é longa.

– Táxi do Aeroporto: Preço fixo alto. Não pegue os táxis comuns, muitos viajantes já relataram golpes.

– Uber: Mais barato que o táxi, porém, ao utilizar seu cartão brasileiro será cobrada uma taxa de 6,38% de IOF.

2- O Aeroparque Jorge Newbery

O Aeroparque fica dentro da cidade, a partir de lá, qualquer das alternativas anteriores sairão mais baratas e mais rápidas.

3- Ônibus de viagem

A terceira opção é chegar em Buenos Aires de ônibus. A viagem é longa porém a passagem é mais barata que a do avião.

 4- Carona

A quarta opção é para mochileiros corajosos. Todo o cuidado é pouco além de ser recomendado pedir carona com companhia.

Como trocar e levar dinheiro para Buenos Aires

Buenos Aires é uma das poucas cidades do mundo onde seus reais são aceitos!

-Troque uma quantia pequena de reais para pesos argentinos no aeroporto, só para chegar no hostel.

-Troque o resto do seu dinheiro na cidade, em casas de câmbio.

O ponto positivo do dinheiro vivo é que você pode trocá-lo aos poucos e conseguir boas cotações. A Calle Florida é uma das ruas da região central com mais opções de casas de câmbio. A concorrência faz com que os preços se tornem atraentes.

Dica: leve seu dinheiro em mais de uma forma: O cartão pré pago, tipo travel money, é uma das melhores opções.

Abuse de aplicativos para acompanhar o câmbio e carregar seu cartão em um dia favorável (ainda no Brasil). O ponto negativo é que se você não gastar tudo, terá que vender seus pesos para uma corretora ou banco pagando assim, duas vezes a taxa de conversão.

Quando ir e como preparar sua mala para Buenos Aires

As estações em Buenos Aires são bem definidas, o que ajuda a escolher a data de sua passagem e também a preparar a mala.

O verão portenho: é quente e úmido devido ao Rio da Prata. As temperaturas variam de 24 a 30 graus, mas facilmente estouram a temperatura máxima. Nesta época, aproveite para viajar com seu mochilão mais leve e lavar suas roupas na lavanderia do hostel. O verão também é uma ótima época para pedalar pela cidade.

O Outono em Buenos Aires: é quente de dia e frio a noite, com garoas leves.

A primavera é uma das estações mais recomendadas, a cidade toda ganha as flores dos jacarandás em tons de lilás.

O inverno em Buenos Aires: é para quem curte o frio. O tempo fica seco e a média é de 12ºC, mas pode chegar abaixo de 0ºC.  Prepare um bom agasalho, luvas e gorro. O frio pode significar uma mala mais pesada, mas apesar de ser inverno, o clima é seco e sua roupa vai secar no varal! Um casaco grande, “de neve” deve bastar para sua viagem.

Dica: Leve uma quantidade de roupa suficiente para uma semana e lave o que precisar.

4 itens de sobrevivência do mochileiro em Buenos Aires

Para se virar como mochileiro em Buenos Aires e não depender de agências de turismo, você vai precisar de:

1- Cartão SUBE

O cartão SUBE é indispensável para transitar por Buenos Aires. Ele é aceito no Subte, o “subterrâneo”, como é chamado o metrô que te leva a conhecer os principais pontos da cidade. O SUBE também vale para o Colectivo, ônibus de linha, um pouco mais confuso que o metrô. É possível recarregar seu cartão em diversos quiosques da cidade.

2-Chip de Internet

Também na Calle Florida você vai encontrar as lojas da Claro, Movistar e Personal. Com seu RG você cadastra seu chip na hora e não paga muito por isso. Para chegar até lá, conte com o wi-fi do Hostel ou de outros estabelecimentos que você pode encontrar pelo app BA WIFI.

3-Mapa offline

Seja pelo Google Maps ou pelo aplicativo Maps.me, ter o mapa de Buenos Aires com os principais pontos, restaurantes e o seu hostel marcados pode ser muito útil caso algo aconteça com a sua internet.

4-Bicicleta

Caminhar e pedalar são as melhores formas de conhecer e se perder pela capital argentina. A Prefeitura de Buenos Aires oferece bikes gratuitas, inclusive para viajantes, pelo app BA Ecobici. O cadastro pede o número do seu RG, o carimbo e o bilhete de admissão do país, que vale 90 dias e você vai ganhar na imigração do aeroporto.

O que você precisa saber sobre Buenos Aires

A metrópole sofisticada já foi um dia colônia da Espanha e na época, era impossível imaginar todo o progresso e toda a ciência que Buenos Aires se orgulha. A carne, fundamental na dieta portenha hoje, já fazia parte do cardápio do povo Querandi que primeiro habitou essa terra. O couro dos belos casacos foi um dos mais importantes produtos para o crescimento da cidade, que recebeu uma grande onda de imigrantes. Italianos, sírio-libaneses, poloneses, russos e espanhóis dividiram grandes casarões, os conventillos. Foi lá que o tango nasceu, um gênero musical acompanhado de dança que é hoje apreciado em grandes espetáculos caros.

 

8 bairros para conhecer em Buenos Aires

Não deixe que os edifícios imponentes, cafés e universidades da “Paris da América” te intimidem, muito menos qualquer falta de hospitalidade, como dizem. A história argentina é marcada pela escravidão, por epidemias e por uma ditadura terrível. Em paralelo ao turismo convencional, pode acreditar que Buenos Aires oferece uma ótima experiência para viajantes e mochileiros. Conheça agora as histórias, a cultura e o que fazer em:

La Boca, La Bombonera e Caminito

La Boca é um dos bairros mais turísticos de Buenos Aires. Ele precisa estar em seu roteiro.

La Bombonera

O azul e amarelo das ruas de La Boca emocionam até quem não é fã de futebol. As lojas de souvenirs e estátuas em tamanho real de Messi e Maradona, verdadeiros heróis nacionais, indicarão que você chegou no estádio do Clube Atlético Boca Juniors, La Bombonera.

Os argentinos são loucos por futebol e além do Brasil, eles adoram ganhar do Chile e da Inglaterra na copa do mundo. Os mais fanáticos costumam tatuar o escudo do time e formam verdadeiras famílias de torcedores. O estádio é enorme e conta com um museu completo. Lá você vai conhecer as primeiras camisas do Boca, os melhores lances, troféus inesquecíveis e um pouco da história do bairro.

El Caminito

A algumas quadras do estádio fica Caminito, uma rua-museu. Esse nome inspirou o tango “Caminito” de Juan Filiberto interpretado por Carlos Gardel e outros tantos cantores. Nesta galeria a céu aberto, além de obras de artistas renomados estão expostos todo o tipo de trabalho amador, para todos os gostos. Dançarinos de tango provavelmente vão te chamar para uma foto em frente a icônica loja Havana e depois de você, continuarão a perguntar por todo o dia.

Lojas, cafés e restaurantes se instalaram nos antigos casarões, os conventillos de imigrantes, principalmente italianos. Diferente de outros conventillos portenhos, estes são constantemente pintados nas cores mais malucas desde que o artista boquense Benito Quinquela Martín teve a iniciativa de alegrar o lugar.

San Telmo, um bairro que não esconde sua idade

San Telmo, o primeiro bairro de Buenos Aires, parou no tempo quando as famílias ricas se mudaram para o norte. Os imigrantes de diferentes nacionalidades que chegaram em San Telmo dividiam os casarões, chamados conventillos. Grande parte da população de San Telmo não sobreviveu a dura epidemia de febre amarela em 1971.

Quem visita San Telmo pode conhecer o antigo mercado de estrutura metálica e edifícios históricos caindo aos pedaços. Porém, o clima de decadência virou o charme único do local. Os cafés e restaurantes combinam perfeitamente com as ruas de paralelepípedo.

Todo o domingo uma grande feira toma a Plaza Dorrego, onde antiguidades são vendidas entre apresentações de tango e outras músicas. O Paseo de las historietas é um circuito que começa com a escultura da Mafalda em San Telmo, passa por Montserrat e acaba em Puerto Madero. Durante o trajeto você vai passar por Patoruzito, Gaturro, La Jirafa e muitos outros personagens dos quadrinhos argentinos.

A noite em San Telmo

Quando chega a noite, o bairro ganha vida por trás de portas e escadas que levam a festas pouco divulgadas.

Dica 1: As milongas, casas que misturam aulas de tango com festa, são perfeitas para praticar as lições do dia. Conheça o tango mais moderno da Maldita Milonga na Rua Perú, 571.

Dica 2: A cervejaria Bier Life, em San Telmo oferece mais de 66 tipos de cerveja artesanal. A pizza, o hambúrguer e até o tiramissu levam cerveja na massa. Tudo servido em um grande pátio que te permite observar o movimento do bairro.

Onde se hospedar em San Telmo

Hostel Portal del Sur: o hostel fica em um edifício de 120 anos, cuidadosamente reformado para manter sua arquitetura e charme. O lugar é perfeito para uma experiência local e única em Buenos Aires. Rua Hipólito Yrigoyen, 855.

Art Factory San Telmo: o hostel é animado, acessível, divertido e diversificado. Perfeito para viver uma experiência no coração do bairro histórico de San Telmo. Rua Piedras, 545.

Próxima parada: O centro!

A região central de Buenos Aires é formada pelos bairros Montserrat, San Nicolás e Congresso. Caminhando por lá você vai conhecer pontos importantes da história, cultura e política da capital.

Plaza de Mayo

A praça é o ponto principal de protestos há séculos. Desde a ditadura argentina, mães e avós se reúnem às quintas na Plaza de Mayo exigindo investigações sobre seus filhos desaparecidos. Na esperança de encontrar seus netos, o site do movimento das avós, Abuelas de Plaza de Mayo, oferece uma consulta grátis para pessoas nascidas entre 1975 e 1980 que tem dúvidas sobre suas origens.

Casa Rosada

A sede do governo argentino foi pintada de rosa a primeira vez por volta de 1870. A primeira explicação seria a mistura da tinta, que levaria sangue de boi. A segunda, é que no século 19, a união de dois partidos rivais, o branco e o vermelho, teriam gerado o rosê. A Casa de Governo conta com um museu próprio e visitas guiadas.

Catedral

A igreja é um grande ponto turístico e histórico para visitar na capital. Sua fachada conta com longas colunas e dentro da igreja, o túmulo de San Martín, líder da independência argentina, é protegido por guardas dia e noite.

El Ateneo

Segundo o jornal britânico The Guardian, El Ateneo Grand Splendid no centro de Buenos Aires é a segunda livraria mais linda do mundo. Ela funciona em um antigo teatro de 1919 e vale a visita.

Obelisco

O Obelisco é um monumento histórico de Buenos Aires criado para comemorar os 400 anos de sua fundação. Você vai ver o Obelisco de longe. A obra está localizada no cruzamento da Corrientes com a Av. 9 de Julho, que já foi considerada a avenida mais larga do mundo!

Congresso Nacional

O edifício imponente exibe sua enorme cúpula de cobre por fora e sua extensa biblioteca por dentro.

Café Tortoni

Além das mais famosas opções de comidas portenhas, o Café Tortoni se transforma em uma casa de tango que causa fila ao lado de fora. Dizem que Jorge Luis Borges, Carlos Gardel e García Lorca já pediram tostadas por lá.

Calle Florida

É nesta rua que você vai encontrar as casas de câmbio para trocar seu dinheiro, comprar e habilitar um chip de internet e ainda caminhar entre as lojas de quase 10 quarteirões exclusivos para pedestres. A galeria Pacífico reúne lojas, um afresco histórico no teto e o Centro Cultural Borges, no último andar.

Teatro Colón

Integralmente restaurado para a comemoração do bicentenário da independência, o Teatro Colón recebe óperas, balés e concertos. É possível agendar uma visita guiada para conhecer o interior deste edifício que enche os portenhos de orgulho.

Onde se hospedar no Centro

America del Sur Hostel: Os hóspedes Hostelworld votaram no América do Sur Hostel Buenos Aires como o melhor da Argentina e da América Latina no 2011 e 2012 Hoscars. A equipe do hostel vai te ajudar com qualquer passeio, ingressos para jogos do Boca Juniors e para as melhores festas.

Sabático Travelers Hostel: O hostel conta com um terraço, jogos como pingue-pong, jacuzzi, biblioteca e churrasqueira, de onde saem os típicos assados apreciados entre os hóspedes.

Rayuela Hostel Boutique: O hostel é conhecido por indicar ótimos pontos de música ao vivo, shows de tango, cena de bar underground, aulas de espanhol, passeios a pé e tudo o que você precisa para ter uma experiência em família.

Recoleta e seus monumentos

Recoleta é conhecida por seus monumentos em praças, museus e até no cemitério. O MALBA, Museu de Arte Latino Americana e o Museu Nacional de Belas Artes, contam a história de Buenos Aires e abrigam obras importantes para a América Latina e para o mundo. Recoleta pode ser recorrida facilmente a pé ou de bicicleta, suas praças são ideais para um piquenique. O bairro não é tão recomendado para se hospedar. Apesar da tranquilidade ser um ponto positivo, o acesso ao centro não é tão prático. Confira alguns pontos especiais de Recoleta:

Floralis Genérica

Pela recém inaugurada linha “H” do metrô é possível descer direto na belíssima Faculdade de Direito da cidade. Siga até o monumento Floralis genérica na Praça das Nações Unidas. A flor metálica foi criada em homenagem a todas as outras, por isso o nome “genérica”. Ela se abre e fecha com o sol, imitando o movimento natural da vida. A obra foi um presente do arquiteto argentino Eduardo Catalano para a cidade.

Cemitério de Recoleta

O cemitério de Recoleta é considerado um museu por reunir diversas obras de arte e túmulos de grandes personalidades da política, ciência e cultura. O túmulo mais visitado e florido é o de Eva Perón, apelidada de Evita, a mãe dos pobres. Como primeira-dama e secretária do trabalho ela ajudou diretamente a população “descamisada” com seu trabalho. Fez parte da conquista do voto feminino e dos direitos trabalhistas. Além de ter criado uma instituição que existe até hoje, a Fundação Eva Perón, que já deu assistência a muitos argentinos. Um câncer no útero ocasionou sua morte prematura, aos 33 anos. A vida e trajetória de Evita é conhecida internacionalmente.

Centro Cultural Recoleta

Centro Cultural Recoleta fica ao lado do cemitério. Lá você vai encontrar exposições de arte de todo o estilo, artistas de cabeça aberta, obras malucas e tecnológicas. O espaço também recebe shows, cursos, apresentações e festas. O Centro Cultural Recoleta impulsiona movimentos artísticos há mais de 30 anos.

Puerto Madero e as mulheres

Puerto Madero é um bairro moderno. Suas ruas levam os nomes de grandes mulheres do campo das ciências, artes e política. “Madero” vêm de Eduardo Madero, engenheiro que fez um projeto controverso para o porto.

Os calçadões às margens do Rio da Prata reúnem uma alta concentração de restaurantes, bares e baladas. O valor do metro quadrado em Puerto Madero é um dos mais altos da América Latina. As universidades do bairro renovam o clima de Puerto Madero.

A ponte da mulher

A grande atração do bairro é a Puente de la Mujer, uma ponte giratória criada pelo arquiteto espanhol Santiago Calatrava. A inspiração do artista foi um casal dançando tango. Você consegue ver?

Retiro e o resto do mundo (o bairro Retiro é onde todos os países se encontram)

Terminal de ônibus

Retiro também é o bairro do grande terminal de ônibus da cidade, que realiza viagens pela Argentina e também para outros países. Um lugar de encontros e despedidas.

Mundo lingo

Mundo lingo é uma iniciativa de reunir pessoas de diferentes países para praticar idiomas em bares. O The Temple Bar, na Rua Marcelo de Alvear, 945 é um deles. A ideia é usar uma bandeirinha indicando seu país nativo e outra, para o idioma que quer praticar. Ninguém fica quieto!

Plaza San Martín

Durante a copa do mundo de 2018 um grande telão foi construído na praça San Martín. Fui assistir o jogo do Brasil e encontrei centenas de brasileiros na cidade. O mesmo aconteceu com as partidas de outros países.

Palermo, o maior bairro de Buenos Aires

Palermo é um dos bairros preferidos de quem já esteve em Buenos Aires. O bairro oferece ótimas opções de hostels para quem não faz questão de ficar no centro.

Caminhe por mercados, bares e restaurantes entre ruas cobertas por murais e grafites com um charme especial. Palermo significa ter acesso rápido ao centro mas viver com tranquilidade.

O cenário gastronômico do maior bairro de Buenos Aires recebeu há poucos anos hamburguerias artesanais que vieram para ficar. Outra dica é o restaurante Bartola, com pratos rápidos e frases encantadoras. O grande bairro é dividido entre:

Palermo Soho: referência de moda e design

Palermo Hollywood: com diversas produtoras de cinema e TV

Palermo Viejo: onde viveu Jorge Luis borges

Palermo Chico: a área mais nobre

Onde ficar em Palermo

Play Hostel Buenos Aires: O hostel funciona em um edifício de arquitetura do século XIX. Os donos acreditam e promovem que a musica conecta pessoas.

Back in BA: O hostel no coração de Palermo Soho é um lugar perfeito para drinques, churrascos no pátio ensolarado e combinar de sair pelas noites portenhas.

Malevo Muraña: O hostel é inspirado na história de ‘Juan Muraña’ do famoso escritor argentino Jorge Luis Borges. Um lugar que consegue ser moderno sem perder a essência de Buenos Aires.

Nuñez, memória, verdade e justiça

Nuñez é um bairro tranquilo ao norte de Buenos Aires. Suas ruas largas são melhores para quem está de carro, mas o bairro vale uma visita. Ao redor do Lago de Regatas, parece até que todos os moradores do bairro praticam algum esporte.

Estádio Monumental do River Plate

O  estádio do River é o maior estádio da Argentina. Conta com um tour guiado que chega até os vestiários e um museu com os principais acontecimentos mundiais do futebol. Toda a metade vermelha da argentina se sente em casa neste estádio.

Museu Espaço Memória e Direitos Humanos

O Museu Espaço Memória e Direitos Humanos, na Av. del Libertador, foi criado onde antes funcionava a Escola Superior de Mecânica da Armada- ESMA, que deveria alojar e treinar a Marinha, mas funcionava como centro de extermínio e tortura durante a ditadura militar argentina. As prisioneiras grávidas tinham seus filhos lá mesmo, que eram mandados para orfanatos. Essas crianças são buscadas pelo coletivo das Avós da Praça de Maio. Este período ainda não foi apagado da memória dos argentinos e a luta é para que não seja.

O que comer em Buenos Aires como mochileiro

Buenos Aires é uma cidade onde se come muito bem, mesmo com pouco. As comidas argentinas são uma mistura de culinárias do mundo que deu certo. É comum que viajantes reúnam forças no hostel para preparar um assado ou uma “picada”, que são petiscos de todo o tipo perfeitos para acompanhar mates, cervejas ou vinhos.

Os Bodegones, bares antigos, oferecem prato econômicos, muito bem servidos, com influência espanhola. A pizza, que veio da Itália, ganhou sua própria personalidade em Buenos Aires.

O assado

O assado argentino é feito para durar a tarde toda. Saladas de batata e pães acompanham as carnes que passam horas na brasa. Com muito vinho, cerveja e música, o assado pode ser provado em diferentes restaurantes e em diferentes preços. Com sorte, em sua passagem por Buenos Aires você será convidado para um assado ou, seu hostel será a sede de um.

A pizza

Ao longo da Av. Corrientes você vai encontrar algumas pizzarias clássicas como Guerrin, Las Cuartetas e El Palacio de la Pizza. El Cuartito, que fica a poucos quarteirões, é completamente decorado com bandeiras, camisas e fotos de grandes craques do futebol. A pizza é servida em pedaço, para comer no balcão mesmo, no estilo “al paso“. Entre os sabores, a queridinha “fugazzeta” leva muito queijo e cebola.

Os doces

-Facturas e Medialunas: estas delícias podem ser encontradas em qualquer padaria ou confeitaria. As medialunas tem o formato de croissant e geralmente não levam cobertura, podem ser feitas de gordura ou manteiga. Já as facturas, levam cremes como o do pastel de belém, geléias, doces de leite ou chocolate.

-Pasta Frola: a torta finalizada com um quadriculado de massa é uma clássica pedida. Ela pode ser recheada com doce de batata ou geléias.

-Chocotorta: uma sobremesa feita com biscoitos, doce de leite e cream cheese perfeita para as tardes de chuva.

-Torta Rogel: conhecida como “alfajor gigante”, a torta é composta por algumas camadas do inigualável doce de leite argentino.

Arte e cultura na Argentina para mochileiros

Buenos Aires se conecta com o mundo pela arte e cultura.

O cinema argentino, cantores e músicos inspirados pela cidade costumam receber prêmios internacionais. Separei 3 dicas para viver a arte e a cultura efervescente da capital.

Se solte com La Bomba de Tiempo

O grupo de percussão La Bomba de Tiempo dá um show de tambores e solos alucinantes. Tudo no Centro Cultural The Konex, lugar de música animada, cerveja gelada e gente feliz.

Veja um filme cult

O cinema Gaumont oferece filmes argentinos e latino americanos independentes por menos da metade do valor de um cinema comum. Tudo isso dentro de um teatro clássico.

Pare de assistir e dance tango

Os espetáculos de tango são realmente inesquecíveis, mas se arriscar dançando em uma milonga tem tudo a ver com o espírito mochileiro. A noite começa com um aulão de tango seguido de um jantar informal. Quando quiser, é só se jogar na pista! El Beso, na Rua Riobamba, 416 é uma milonga boa e barata!

Obrigada por me acompanhar nessa viagem pela história e cultura de Buenos Aires, pelos prédios incríveis e comidas deliciosas do caminho. Vamos continuar viajando juntos?

📚 Sobre A Autora 📚

Meu projeto se chama Sola no Mundo, viagens por histórias e culturas. Lá você vai encontrar entrevistas, paisagens incríveis e histórias marcantes. Siga o @solanomundo nas suas redes sociais!

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/historia-e-cultura-de-buenos-aires/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Laura Carniel

I'm Laura, Brazilian, and I'm obsessed with dogs, films, sharing good stories with friends and discovering quirky places. Social Media & Content Executive and #HostelworldInsider at Hostelworld. 🌏 Favourite place on earth: London, UK. 🏠 Favourite hostel: Oki Doki Hostel - Warsaw, Poland. Follow my travel adventures and loads of dogs on Instagram @astaclivo 🐶✈️

Inspire-se

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.