15 dicas para o seu primeiro mochilão na Europa

15 dicas para o seu primeiro mochilão na Europa

Quem nunca sonhou em algum dia comer uma pizza na Itália, curtir as praias da Espanha ou passear pelos canais de Amsterdam? Mas quando chega a hora de realmente começar a se organizar, bate aquele medo. Será que eu vou conseguir me virar sozinho? E se der algo errado? Pode ficar tranquilo que a gente vai acabar com esses medos e te dar todas as dicas para fazer essa viagem acontecer de fato – e ser incrível! Chega de ficar só babando com as fotos dos amigos no Insta, agora é você que vai encher o feed de fotos na Europa. Anote aí as dicas e se prepare para desbravar o velho mundo!

Por onde eu começo?

1. Para onde eu vou?

Roma, Itália 📷 @guidocarol

O primeiro passo é decidir o destino – e isso pode ser mais difícil do que parece. Tem tanto lugar interessante para conhecer que dá vontade de ir em tudo! Mas sem pânico. O segredo é pesquisar bastante. Fale com pessoas que já conhecem os lugares que você considera ir, participe de grupos  no Facebook e dê uma olhada em blogs (o nosso tá cheio de dicas!), logo você vai achar aquele lugar que é a sua cara. O próximo passo é montar um roteiro de viagem. Não precisa planejar cada segundo, mas é legal ter uma ideia geral do que você quer fazer, principalmente se vai para mais de uma cidade.

2. Como eu chego lá?

Existem vários sites que podem te auxiliar a achar passagens mais baratas, como Skyscanner ou Google Flights. Você pode até se cadastrar para receber alertas de quedas de preço. Mas fique esperto: se o preço é baixo demais, desconfie. Existem alguns sites que são cilada, então pesquise a reputação da empresa antes de comprar a passagem. Outra boa ideia é procurar as passagens usando a aba anônima do navegador, assim você evita aumentos nos preços. E não deixe para comprar na última hora! O ideal é cerca de 3 meses antes da data da viagem.

3. Eu só preciso do passaporte ou tenho que tirar um visto?

Se você vai como turista, ou seja, vai ficar até 3 meses sem trabalhar, você só precisa do passaporte. Mas ele tem que estar válido até 90 dias depois que você for embora da Europa. Se vai passar mais tempo vai precisar de um visto, e aí tem que conferir como funciona em um órgão oficial de onde vai, pois varia entre os países. Ah, e não deixe para confirmar a validade do seu passaporte para última hora! A renovação pode demorar alguns meses e a gente não quer essas chatices estragando a viagem, né?

4. Quais documentos preciso levar comigo?

Para entrar na zona de Schengen – isto é, nos 26 países que fazem parte desse tratado – você vai precisar ter um comprovante de passagem de retorno ao Brasil, comprovantes de hospedagem, comprovantes de fundos para se sustentar durante a estadia e um seguro viagem (que você pode fazer em uma agência de viagem). A ideia é mostrar que você está indo para passear e não para ficar ilegalmente. “Ah, mas a minha amiga foi e não pediram nada disso!”. Pode acontecer, mas quando passar na imigração, eles tem o direito de pedir tudo isso e, se não estiver com tudo certinho, podem não deixar você entrar. Como diz o ditado, melhor prevenir do que remediar, não acha? Importante: nem todos os países da Europa fazem parte do tratado, como Reino Unido e Irlanda, então confira as regras especiais se esses estiverem no seu roteiro!

5. Quantas malas posso levar?

Antes de tudo, confira qual a franquia de bagagem permitida pela passagem que você comprou. As leis mudaram recentemente e podem variar de acordo com a companhia aérea, então não fique só no “achismo”. Normalmente, quem vem do Brasil tem direito ao menos a uma mala de mão, menor, que vai com você na cabine, e uma mala para despachar de pelo menos 23kg. As companhias aéreas especificam os tamanhos permitidos das malas, então fique atento a isso também (especialmente quem vai com um mochilão que não tem tamanho padrão!). Além disso, pode levar uma bagagem pessoal, que pode ser uma bolsa ou mochila pequena. Se você pretende viajar com companhias low- cost dentro da Europa, fique esperto, normalmente o limite de bagagem é de uma mala de 10kg, então se organize para comprar bagagem extra, viajar mais leve ou achar um locker para deixar suas coisas.

6. O que eu não posso levar na mala?

As regras são um pouco mais chatinhas para as bagagens de mão. Além das coisas óbvias tipo armas e objetos cortantes, não pode levar produtos em aerossol (não esqueça de deixar seu desodorante em casa!) e o que for líquido deve estar em embalagens de até 100ml e todas essas devem estar dentro de um plástico transparente que possa ser fechado e reaberto (tipo aqueles Ziploc, sabe? Mas, não se preocupe, na maioria dos aeroportos da Europa essas embalagens são fornecidas). Se ficou em dúvida se algo é permitido ou não, confira no site do aeroporto de onde você vai ou coloque na mala a ser despachada, essa você pode levar praticamente tudo (desde que não ofereça perigo). Se pedirem para abrir sua mala na hora de passar na segurança, fique calmo! Caso uma dessas regras seja violada, o máximo que vai acontecer é jogarem as coisas fora – mas a viagem segue!

7. O que eu tenho que levar na mala para não passar perrengue?

Além do básico, aí vão as dicas estratégicas de um viajante preparado! Um adaptador universal de tomadas é uma ótima pedida. Se você vai ficar em hostel, especialmente com banheiro compartilhado, leve chinelos. Toalha é uma boa, mas se não quiser carregar esse peso na mala, você geralmente pode alugar no hostel por alguns euros. Normalmente hostels oferecem lockers para deixar suas coisas, então é ótimo ter um cadeado para que tudo fique em segurança. Saquinhos plásticos sempre são úteis, então coloque alguns na sua mala.

8. Como eu faço com o dinheiro?

Quem vos escreve é a pessoa mais paranóica possível: e se me roubarem? E se eu perder todo meu dinheiro? Mas se eu consigo fazer funcionar, todo mundo consegue. A minha dica é: não mantenha todo seu dinheiro em um só lugar! Antes de ir, o ideal é já comprar euros no Brasil, trocar em casas de câmbio chegando lá geralmente sai bem mais caro porque cobram taxas altas. Do dinheiro que você levar, recomendo que leve uma parte em notas e uma parte em um cartão de viagem. Sim, cartão sai mais caro, mas é uma segurança saber que tem ele e faz com que você não tenha que carregar tanto dinheiro por aí. Mas pesquise antes de ir pois já existem cartões ótimos para viagens  e com taxas mais baixas, como o N26. E o que fazer com toda essa grana que você vai levar? A pochete vai ser sua melhor amiga! Aquela bem feia que vai por dentro da roupa é a mais segura! Mas deixe um pouco na sua mochila e um pouco na sua mala. Não vai dar nada, mas se der você tá preparado!

9. Como escolho a hospedagem?

Goodmorning Lisbon Hostel, em Lisboa, Portugal

Bem-vindo ao maravilhoso mundo do Hostelworld! Sério, são tantas opções que você vai ver como esse site é a salvação. Na Europa você encontra hospedagem para quem tá curtindo uma viagem de luxo assim como para quem tá mochilando com um orçamento apertado. Pelo Hostelworld você pode ver a pontuação das hospedagens em diversos quesitos e ainda comentários de quem já se hospedou. Minha dica, especialmente para quem vai fazer viagens mais curtas, é procurar uma boa localização. Fora isso, busque aquilo que faz mais seu estilo: quarto privativo ou dormitório? Ambiente relax ou com muita festa? Tem para todos os gostos! Vale prestar atenção se o hostel tem wifi, lockers e tomadas (ninguém merece estar em um quarto compartilhado sem poder carregar o celular perto da cama!) quando for escolher onde ficar.

Cheguei, e agora?

10. Vão me barrar na imigração?

A primeira coisa é ficar calmo! Se você está com todos os documentos certinhos, não tem porque se preocupar! Leve tudo impresso para facilitar na hora de passar na imigração e não ter que procurar procurando tudo no celular. O lado bom é que se você for viajar depois para mais países que fazem parte da Zona de Schengen, não vai ter que passar pela imigração novamente!

11. Qual a melhor forma de viajar dentro da Europa?

Depende muito. Às vezes você acha passagens de avião super baratas em companhias low-cost como Ryanair Easyjet – já fui de Pisa a Budapest por €7!! Ônibus, como Flixbus, é geralmente mais barato e frequentemente oferece promoções ótimas, só que se você não vai ficar um longo período na Europa, às vezes não compensa passar tanto tempo na estrada, afinal a Europa é pequena mas nem tanto! Trem é um pouco mais caro, mas bem muito confortável. Eu sei que você já cansou de ouvir mas não tem outro jeito: a dica é pesquisar! Confira sites como Goeuro ou Rome2Rio para descobrir as melhores maneiras de viajar na Europa.

12. E dentro da cidade, como eu circulo?

Os famosos bondes de Lisboa, Portugal 📷@ornelladc

Cada cidade tem seu sistema e quanto maior, mais opções vai ter. Geralmente as maneiras mais práticas são metrô e tram, mas sempre tem sistema de ônibus também. Você normalmente compra tickets direto na estação e, dependendo de quanto tempo for ficar, vale mais a pena comprar pacotes, como tickets válidos por 24h, 3 dias ou uma semana. Outra maneira interessante é usar os sistemas de bicicleta compartilhada, são econômicos e é uma maneira interessante de conhecer a cidade. Mas claro, a melhor sempre vai ser perambular – e muito! – pela cidade.

13. Como faço para ter internet na Europa?

As companhias telefônicas no Brasil oferecem planos para o exterior, mas são mais caras do que comprar um chip na Europa. Minha dica é assim que pousar, nem tirar o celular do modo avião para não ter taxas de roaming. Compre um simcard direto no aeroporto ou use o wifi de lá (raramente não tem) para achar sua hospedagem e, então descubra onde comprar um chip perto de você. É possível comprar diretamente nas lojas das operadoras ou em revistarias e lojas de conveniência. Planos pré-pagos mensais com um bom pacote de internet e alguns minutos de ligação variam de €20 a €40. Você nem precisa trocar seu número do WhatsApp do Brasil, para não  ficar  desatualizado com a galera!

14. Socorro, não falo nada da língua, e agora?

Napoli, Itália 📷 @guidocarol

Para nossa sorte, vivemos na época do smartphone, então o tradutor tá sempre em mãos! Ainda assim, é importante e respeitoso saber as palavras básicas na língua de onde você está. Você vai ver a diferença que faz chegar em um restaurante falando “boa noite” na língua local, o pessoal adora ver quando turistas fazem esse esforço! O inglês é geralmente falado nos lugares mais turísticos, mas se você ou os locais não falarem, sempre dá para se comunicar, nem que seja com mímica. Pode não ser prático mas é muito divertido!

15. Mas lá é seguro, né?

Comparando com vários lugares do Brasil, sim, mas isso não significa que você não tenha que ficar ligado! Pequenos furtos são muito comuns, especialmente de documentos, carteiras e até bagagens em lugares muito movimentados e turísticos. Sempre tenha fotos dos seus documentos no celular (ou cópias físicas, se possível) e, preferivelmente, deixe seu passaporte onde estiver hospedado, se houver um lugar com cadeado. Mantenha seus pertences sempre com você e nunca deixe sua carteira ou documentos em bolsos que sejam facilmente acessíveis. Mas não tenha medo, preste atenção nesses detalhes e não entre na paranóia!

Coragem!

Com essas dicas, é só fazer a viagem acontecer, sem medo! Eu prometo que vai ser uma das melhores experiências da sua vida 😉

📚 Sobre a autora: 📚

Gabriella Bianchini: brasileira que colocou toda a sua vida em duas malas e se mudou para a Itália. Está sempre animada para ir a museus, conhecer pessoas e provar comidas (muita comida). Sofre do “Fear of Missing Out”: quer ir a todos os lugares, falar com todo mundo e fotografar tudo. Você pode seguir as aventuras de Gabriella em seu Instagram.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/dicas-mochilao-europa/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Iami Gerbase (Hostelworld)

Hi! My (weird) name is Iami and I'm a Brazilian journalist tired of hearing "You don't look Brazilian". I love to taste street food, read at the beach and watch Naked and Afraid. 🌏 Favourite place on earth: Praia de Palmas, SC, Brazil. 🏠 Favourite hostel: Bananas Bungalows, Krabi, Thailand. You can follow my travels on Instagram: @iamigerbase.

Inspire-se

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.