Bruxelas: Turismo não óbvio pela capital da Bélgica

Bruxelas: Turismo não óbvio pela capital da Bélgica

Foi bem no início do planejamento da nossa viagem para Bruxelas que percebemos que a capital da Bélgica não é um lugar que você passa os dias caçando pontos turísticos. E, convenhamos, quando pensamos em Bélgica, pensamos em quê? Chocolates, cervejas, waffles e batatas fritas. Antes mesmo de sair da nossa casa em Berlim já estávamos com a ideia de que Bruxelas seria uma daquelas oportunidades raras de largar o guia e aproveitar ali como um local, curtindo cada um dos lugares e destaques que a cidade tem a oferecer. E, como contamos nesse post aqui sobre a cidade, foi exatamente isso que nós fizemos.

Sendo bem sincera, não é muito difícil de cair nas tentações de viver como um local em uma cidade com as algumas das melhores cervejas do mundo, famosa pelas suas batatas fritas, waffles e chocolates, né? Bruxelas pede pra você largar mão do seu roteiro e simplesmente se perder pelas ruazinhas que misturam o charme francês com um jeito cool de viver que eu vi em poucas cidades europeias até hoje. Foi pensando nisso que criamos esse guia da cidade que você pode ver clicando aqui.

Por isso mesmo, ao invés de falar sobre pontos turísticos da cidade, eu quero indicar alguns lugares um pouco mais locais que conheci enquanto viajava por Bruxelas – e, até por isso mesmo, ainda mais legais.

2GO4 Quality Hostel

2GO4 Quality, Hostel, bruxelas, belgica

O hostel que ficamos hospedados foi o 2GO4 Quality Hostel da Boulevard Emile Jacqmain, um hostel bem bonitinho, com quartos compartilhados e privados, staff super simpático e uma localização ótima pra quem chega do aeroporto mais importante de Bruxelas – o trem que leva para a cidade fica há só 15 minutinhos dali. Bruxelas é uma cidade pequena e tem um centrinho turístico bem cheio, e achamos muito bom que o hostel fica um pouco para fora dele, em uma área mais tranquila, mas ainda bem perto de tudo que queríamos visitar.

Em 10 minutos você chega em uma das principais ruas da cidade, a Marché aux Poulets, que tem vários restaurantes que misturam turistas com locais e que dá para pegar várias dicas de onde comer muito bem, sem sair dali, pelo Foursquare. Comemos maravilhosamente bem em Bruxelas e não duvido nem um pouco que isso seja por causa da nossa localização na cidade!

Café Belga

Café Belga, Étang d'lxelles, Bruxelas

Esse café/bar é um dos lugares mais lindos que conhecemos por ali. A cidade toda estava relativamente vazia no final de semana que estivemos lá mas, assim que chegamos no Café Belga, até brincamos: então é aqui que fica todo mundo!

O Café Belga é, bem, um café. Só que também vende drinks, cervejas e algumas comidinhas. Ele fica em um dos bairros mais cools da cidade, Ixelles, em um espaço super iluminado e com uma decoração linda. É enorme, cheio de gente bonita, com parte externa super gostosa que dá pra frente para um lago enorme – o Étang d’lxelles. Para pessoas como nós, que trabalham pela internet enquanto viajam o mundo, ali é um lugar maravilhoso para trabalhar – e tinha muita gente lá fazendo exatamente isso, acompanhados de uma boa cerveja.

Fin de Siècle – Restaurante belga maravilhoso

Fin de Siècle, restaurante, bruxelas, onde comer

Esse restaurante foi indicação da moça da recepção do hostel que ficamos hospedados, o 2GO4 Quality Hostel que fica em uma ótima localização e tem uma área comum maravilhosa. Assim que chegamos nele, percebemos que o restaurante já estava até anotado na nossa listinha de lugares há alguns dias, porque lemos coisas maravilhosas sobre sua comida.

Dito e feito: comemos Moussaka vegetariana e Stoemp – uma comida típica belga – e os dois eram maravilhosos e enormes. Além da comida boa e do atendimento super amigável, lá dentro estava cheio de belgas comendo, bebendo e se divertindo – eles são super animados, e isso é incrível na cidade! Outra parte legal de ir até o Fin de Siècle é que a rua que o restaurante fica localizado é super bonitinha. Quem passar por ali durante o dia consegue conhecer várias lojinhas diferentes cheias de coisas legais.

The Monk – Para beber cerveja trapista

The Monk, cerveja, trapista, bruxelas

Para quem não sabe sobre a história da cerveja trapista, o estilo mais tradicional da Bélgica, dizem que as trapistas são feitas em monastérios desde o começo do século VI, feita inicialmente como uma forma de água potável pelos monges. É daí que o nome desse bar vem.

Parar no The Monk é uma bela opção para quem está andando pelo delicioso bairro de Saint-Géry, especialmente aos finais de semana. O bar tem um estilo antigo, com diferentes cervejas trapistas para experimentar e cheio de lugares para sentar e curtir um pós almoço. Bem na frente dele fica uma peixaria que, aos finais de semana, abre uma barraquinha virada pra rua vendendo petisquinhos de frutos do mar e peixes. Na calçada oposta fica uma praça, onde eles colocam mesas altas, e as pessoas ficam de pé curtindo o domingo, petiscando e bebendo vinho branco – mesmo aos 6 graus com sol, no finalzinho do inverno, ali já estava tomado de belgas.

Beerstorming – Experimentando cervejas únicas

Beerstorming, cerveja, belgica

Esse é um dos lugares mais incríveis que já conhecemos nesses dois anos viajando sem parar. O Beerstorming é um espaço que você pode criar a sua própria cerveja com ajuda de um brewing master e utilizando vários ingredientes diferentes que você seleciona junto com seu time. Não tem receita pré pronta, é tudo criado por vocês mesmo.

Como, infelizmente, só estivemos por lá em um final de semana, não fizemos a nossa própria cerveja, mas o bar disponibiliza todas as criações recentes para você beber e por um preço muito bom – 2 euros o copo de cerveja única, que você muito provavelmente nunca mais vai beber igual. Ficamos horas lá dentro conversando com os donos do projeto e com um grupo que estava bebendo a cerveja que eles mesmos criaram – ótima, por sinal! Para quem adora experimentar bebidas diferentes, especialmente cerveja artesanal, ou curte aprender sobre coisas novas, esse lugar é maravilhoso!

Saint-Géry Island

Saint-Géry Island, ilha, bruxelas

Antigamente essa região era a maior ilha dentro do Rio Sena em Bruxelas, e por isso o nome dessa região é esse. Hoje, em frente ao Halles Saint-Géry fica um cruzamento de algumas ruas pequenas com pelo menos 5 restaurantes e bares, um de frente para o outro, todos bem locais. Quando passamos por lá, muitas das mesinhas das ruas estavam ocupadas e só se via Aperol Spritz em todas as mesas. Enquanto isso, no Halles estava rolando um evento de empreendedorismo para adolescentes.

Cada um desses bares tem uma decoração diferente e todos são bem legais, então dá pra escolher o seu favorito e ficar lá fora people watching enquanto almoça ou passa um fim de tarde com sol. Vale muito a pena conhecer!

Uma coisa que adorei em Bruxelas é o clima jovem da cidade. As pessoas são super bem humoradas, conversam com você sem frescura, estão sempre estilosas e você cansa de ver grupos de gente bem vestida rindo, brindando e curtindo por onde quer que você passe. Dá uma vontade louca de ficar por lá, pedir mais uma cerveja e fazer vários amigos.

Sobre a autora:

Há dois anos Debbie Corrano e Felipe Pacheco colocaram a vida em malas de viagem, pegaram seus dois cachorros e foram morar pelo mundo. Eles já chamaram mais de cinco países diferentes de casa, estão sempre viajando e tendo novas experiências enquanto trabalham pela internet. Os dois contam tudo sobre isso no seu blog, o Pequenos Monstros.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/bruxelas-turismo-nao-obvio-pela-capital-da-belgica/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Carol Guido

Inspire-se

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + 14 =

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.