Turismo sustentável: 15 destinos para quem ama animais

Turismo sustentável: 15 destinos para quem ama animais

Para quem ama animais, viajar e poder passar algum tempo com eles pode ser considerado um pedacinho de céu. Existem muitos destinos em que os animais são a atração principal e atraem muitas pessoas ao redor do mundo que querem ver, tocar e brincar com eles.

Mas um problema muito grande com relação ao turismo envolvendo animais é a exploração deles, colocando-os em situações estressantes e muitas vezes de tortura. Um dos casos mais famosos é o do zoológico de Luján, na Argentina, que drogava os animais para que as pessoas pudessem tirar fotos com eles.

Claro que as pessoas que realmente amam os animais vão querer passar longe desses lugares e só ter contato com os animais em uma situação natural e que não seja estressante. Quer saber onde fazer isso durante suas viagens e não contribuir para exploração dos animais? Vem conferir!

1 – Ilhas de gatos no Japão

A terra da gatinha Hello Kitty (não é para menos) conta com 13 ilhas onde a população de gatos ultrapassa a de humanos. A mais famosa delas é a Aoshima, que tem 6 gatos para cada morador da ilha e é realmente conhecida como a Ilha dos Gatos. Como Aoshima é acessível apenas de balsa, existe um número fixo de pessoas que podem acessá-la diariamente.

📷 mannahricia

Perto de Tóquio, a ilha de Enoshina tem milhares de gatos pelas ruas e também conta com outros pontos turísticos, além de ser mais acessível. No entanto, independente da ilha que for visitar, é importante se atentar às regras: não forçar os animais no seu colo e não os alimentar fora dos locais designados para alimentação. Os turistas são geralmente muito bem recebidos pelos moradores das ilhas, responsáveis por cuidar dos gatos.

2 – Santuários de Elefantes na Tailândia

Aqui a questão é um pouco delicada. Os elefantes são um símbolo do país e estima-se que 75% dos elefantes usados para turismo (passeios em elefantes, por exemplo) na Tailândia são retirados de seu hábitat natural justamente com essa finalidade. Uma pesquisa feita pela World Animal Foundation concluiu que cerca de 1300 elefantes vivem em condições terríveis, o que inclui privação de comida e jornadas longas de trabalho.

Elephant Jungle Sanctuary em Chiang Mai

Mas o sonho não acabou! É possível ter contato com elefantes na Tailândia de uma forma não exploratória! Para isso, é preciso procurar santuários de elefantes que trabalham de forma ética. O que isso quer dizer? Para um lugar ser considerado ético, é necessário que os elefantes possam agir como em seu habitat natural, sejam livres para comer e beber e viver sem desconforto e lesões. O lugar não pode permitir passeios nos elefantes e nem ter shows de entretenimento. Fuja destes lugares! É preciso pesquisar bem para ter certeza de que se trata de um santuário de verdade. Esses lugares normalmente recebem animais que foram montados e maltratados por anos e ali fazem sua reabilitação sem grades ou correntes.

3 – Golden Retriever Club of Scotland na Escócia

Essa aqui é para o time dos fãs de cachorro: em 2006 foi organizado em Inverness, na Escócia, um evento para os entusiastas da raça Golden Retriever. A primeira edição do evento contou com 188 e o número quase dobrou nos últimos 12 anos, com 361 cachorros no último evento, em julho de 2018.

📷 golden_chewbacca

O evento acontece anualmente nos arredores da cidade ancestral dos animais, onde nasceu o primeiro Golden Retriever na metade do século XIX, apesar de só ser registrado como uma raça em 1906. O evento é aberto para pessoas que só querem visitar, mesmo que não levem seus cachorros. Esse ano, estima-se que o festival contou com mil visitantes. Desfile de cães, brincadeiras, danças e jantares fazem parte do evento.

4 – Woodstock Farm Animal Sanctuary em NY, Estados Unidos

Em Nova York (sim, você leu certo, Nova York) existe um grande abrigo para animais resgatados. O Woodstock Farm Animal Sanctuary cuida de cerca de 300 animais. O mais engraçado é que eles não são apenas os animais que comumente vemos em abrigos. Esse santuário cuida também de vacas, perus, porcos, galinhas, patos, cabras, coelhos.

📷 photommo

Os animais resgatados são vistos como amigos e pessoas podem se voluntariar para ajudar a tomar conta deles. O abrigo também oferece tours entre os animais para quem deseja apenas conhecer mais sobre o trabalho realizado por eles. Não é permitido alimentá-los durante as visitas.

5 – Whale watching em Sydney, Austrália

Algumas pessoas ficam fascinadas pelas apresentações de orcas, golfinhos e baleias do Sea World. Porém, o local não é do mais éticos quando se trata de cuidar dos seus animais. Além de serem mantidos em cativeiros em piscinas consideravelmente pequenas, eles são animais que foram retirados de seu habitat sem motivo. Existem formas muito mais éticas de observar animais marinhos. Como? Vendo o “show” natural que as baleias dão em alguns lugares do mundo.

📷 dgeen

Entre maio e novembro, as baleias jubarte saem do inverno da Antártica em direção ao norte da Austrália para ter seus bebês. Em Sydney, na Austrália, existem diversos parques nacionais para observar essa migração, com mirantes com vista para o oceano, além de ser possível também fazer cruzeiros para ver esse processo mais de perto. Também é possível ver as baleias migrando em Seattle, nos Estados Unidos e em Victoria e Vancouver, no Canadá. Em Santa Catarina, no sul do Brasil, também é possível observar o fenômeno em algumas épocas do ano.

6 – Tartarugas na praia no México

No México, milhares de tartarugas vão sempre para a praia para botar seus ovos. Porém, nesse processo, os filhotes que estão prestes a nascer passam por diversas dificuldades que estão colocando-as próximas da extinção. Cachorros que passeiam na praia comem os ovos e algumas pessoas até pegam para vender para turistas desinformados.

📷 jansamayoa

Em várias praias mexicanas, como a Playa Azul e Acapulco, é possível se voluntariar para percorrer a praia e ajudar tartarugas filhotes a nascer e chegar a salvo no mar. No caso da Playa Azul, em outubro até acontece uma festa em homenagem as tartarugas.

7 – Vacas sagradas na Índia

Cerca de 80% da população da Índia é hinduísta, uma religião com cerca de 1 bilhão de fiéis que considera as vacas seres sagrados. Por causa disso, é muito comum na Índia ver as vacas passeando pelas cidades, sendo alimentada e até adoradas publicamente. Elas são, na realidade, proibidas de ficarem nas zonas urbanas desde 2003, por risco de atropelamento e por atrapalharem o trânsito. Mesmo assim ainda é possível ver algumas passeando pelas cidades.

📷 Simon-3

O país conta com leis que aumentaram o status religioso dos bovinos, fazendo com que a vaca fosse considerada mais pura que os das castas mais elevadas. Não existem leis contra quem atropelar uma vaca por acidente na Índia, mas a pessoa que o fizer corre o risco até de ser linchada.

8 – Pandas gigantes na China

Por causa da expansão urbana na China, os pandas gigantes tiveram as áreas que habitavam comprometidas e as coisas ficaram bastante difíceis para essa espécie, colocando-os por um tempo próximos da extinção. Para salvá-los do desaparecimento, a China começou um processo de reprodução em cativeiro.

📷 skeeze

É possível se voluntariar para ajudar a cuidar desses animais que estão próximos da extinção em refúgios de pandas gigantes. O mais famoso deles é o refúgio de Lougantai. Neles, os turistas podem interagir diretamente com os pandas, ajudando a alimentá-los, por exemplo.

9 – Cerimônia de benção dos animais no Vaticano

O Vaticano organiza anualmente uma cerimônia onde o Papa ou um cardeal concede benção a diversos tipos de animais que são levados para o país. Cavalos, galinhas, patos, cabras, cachorros, gatos e outros animais domésticos são reunidos na praça para que possam ser benzidos.

No entanto, a data desse evento não é fixa. Em alguns anos ela é realizada em de janeiro, coincidindo com a festa de Santo Antônio (padroeiro dos criadores de gado e animais domésticos) e algumas vezes ela acontece dia 4 de outubro, conhecido como dia mundial dos animais.

10 – Lhamas e alpacas no Peru

Animais dóceis e geralmente amigáveis, você vai saber se uma lhama/alpaca não gostar de você: ela vai cuspir na sua cara. Elas existem aos montes no Peru, mas também é possível vê-las na Bolívia e no norte da Argentina. É muito fácil cruzar com elas, porém é necessário avaliar em que situação o contato com elas é válido.

📷 Ferdinand Soto

Existem as que pastam pelos parques, ruínas e mercados livremente (mesmo com seus donos) e as que são enfeitadas para fotografias. É nessa diferença que precisamos prestar atenção. Como já mencionamos, as lhamas são animais muito tranquilos e por isso não precisam ser drogados para interagir com humanos. Porém isso não quer dizer que elas gostem de ficar paradas o dia inteiro tirando fotos com turistas, certo? Para ter contato, dê preferência para as que estão passeando livremente. Preste atenção no que o animal está fazendo e se ele está aberto para você se aproximar. Precisamos sempre lembrar que nós somos os visitantes e que qualquer tipo de interação com animais tem que ser feita com respeito, prezando o bem-estar deles e, claro, a sua segurança.

11 – Parque Nacional das Emas, Goiás

Essa unidade de preservação e conservação ambiental que fica em Goiás conta com cerca de 500 quilômetros de área e com trilhas autoguiadas. O parque havia fechado em 2017 por algumas semanas, devido a falta de funcionários para manutenção e limpeza, porém já voltou a funcionar desde dezembro do mesmo ano.

📷 Wagner Lemes

Como o nome já indica, é possível ver diversas emas no local, já que é a espécie que dá nome ao parque. Mas, além delas, os visitantes também conseguem ver raposas, lobos guará e vários tipos de aves. Vale uma visita.

12 – Golfinhos em reserva natural em Cancún

Com jeito brincalhão, muito dóceis e fofinhos, é difícil abrir os olhos para a situação dos golfinhos em muitas atrações turísticas. Cerca de 59 países mantém esses animais em cativeiro e muitos deles são capturados de forma cruel para serem vendidos para aquários e locais que os utilizam em shows e outras atividades para turistas. Além de serem maltratados para repetirem truques diversas vezes, a água da piscina não faz bem para esses animais.

📷 jrm.drahce

Se quiser ver estes “peixes gigantes” que achamos tão lindos e divertidos, porque não dar uma passada em Cancún? Ali por perto existe a reserva natural de Sian Ka’na onde você pode avistá-los em sua forma natural e sem as crueldades que existem nos aquários e em lugares que permitem que você monte nos golfinhos ou coisas parecidas.

13 – Nadar com tubarões-baleia nas Filipinas ou na Austrália

Ficou com medo? Não precisa. Você não vai perder seu braço. Ah, mas está preocupado com relação ao turismo sustentável? É só fazer boas escolhas. Uma das principais atrações nas Filipinas é a oportunidade de nadar com tubarões-baleia. Mas existem locais onde as regras são seguidas e a atividade é realizada com naturalidade e locais que não são muito éticos.

Nuotare Con Gli Squali

📸 @evgeniy_stepanenko

Os dois locais principais onde as atividades acontecem é Oslob e Donsol. No segundo, os avistamentos de tubarões-baleia não são garantidos, justamente porque eles fazem tudo de forma ética, deixando a atividade acontecer naturalmente. Enquanto isso, em Oslob, os tubarões são atraídos com plânctons comprados a granel e as regras de interação com os tubarões não são respeitadas. Em Ningaloo Reef, na Austrália, também é possível nadar com esse tipo de tubarão.

14 – Macacos na Floresta Amazônica e em Uganda

Macacos são grandes vítimas do turismo exploratório, por serem inteligentes e facilmente domesticados. São utilizados em shows performáticos, circos e muitos zoológicos têm péssimas condições de criação. É muito comum eles sofrerem maus tratos no treinamento e terem sido capturados ilegalmente, portanto, evite esse tipo de atração.

📷 RomanBader

A boa notícia para os brasileiros é que é possível ver dezenas de espécies na própria Floresta Amazônica. Em Uganda, os mais presentes são os orangotangos e gorilas. Outros países como Costa Rica e Tailândia também têm a possibilidade de ver várias espécies de macacos em vida selvagem, garantindo que eles não foram machucados. Mas é necessário pesquisar bem para ter certeza de que não há turismo exploratório.

📷 markjordahl

15 – Pinguins na Isla Martillo

Pinguins-reis e Pinguins de Magalhães, entre outubro e abril, vão para a Isla Martillo, uma ilha no Canal do Beagle, na Argentina, para acasalar. Eles são animais super dóceis e gostam de interagir com humanos, portanto não vão se assustar com sua presença ali.

📷 liamq

Apesar disso, para manter a preservação do local e para não atrapalhar a reprodução, tanto o contato quanto o número de pessoas que pode visitar a ilha é bastante limitado. Reserve seu passeio com antecedência.

 

*Em qualquer contato com animais,  lembre-se de sempre respeitar seu habitat natural e tente não fazer algo que possa estressá-los.

 

Se interessou e já está pensando em viajar? Pesquise o seu hostel com a gente!

 

📚 Sobre a autora 📚

Larissa Moreira gosta de gatos, filmes de terror ruins, viagens de última hora e de adiar o despertador cinco vezes. Você pode acompanhar as viagens de Larissa em seu Instagram.

Share The World!
INSTAGRAM
EMAIL
Facebook
Facebook
GOOGLE
GOOGLE
/blog/15-destinos-para-quem-ama-animais/?lang=pt-br
Youtube

Sobre o Autor

Iami Gerbase (Hostelworld)

Hi! My (weird) name is Iami and I'm a Brazilian journalist tired of hearing "You don't look Brazilian". I love to taste street food, read at the beach and watch Naked and Afraid. 🌏 Favourite place on earth: Praia de Palmas, SC, Brazil. 🏠 Favourite hostel: Bananas Bungalows, Krabi, Thailand. You can follow my travels on Instagram: @iamigerbase.

Inspire-se

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Os campos marcados com * são obrigatórios. Campos obrigatórios são marcados com *

Aplicativos de Celular Hostelworld

Faça a reserva no caminho com os novos aplicativos móveis da Hostelworld.

Download on App Store Download on Play Store

Pesquise e reserve mais de 33.000 propriedades em 170 países, onde você estiver.